sexta-feira, 1 de abril de 2011

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

2009
  1. APRESENTAÇÃO
1.1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA
1.1.1.LOCALIZAÇÃO
1.2. HISTORICO DA INSTITUIÇÃO
1.2.1. PATRONO
1.3. PRINCIPIOS NORTEADORES
1.4. OBJETIVO GERAL
1.5. DIAGNOSTICO DA COMUNIDADE ESCOALR
1.5.1. QUESTIONÁRIO SÓCIO ECONOMICO DOS ALUNOS E SUAS FAMÍLIAS.

  1. PAPEL DA UNIDADE ESCOLAR
2.1. PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS
2.2. O PAPEL DO EDUCADOR
2.3. FINALIDADES DA EDUCAÇÃO
2.4. OBJETIVO ESPECÍFICO DA ESCOLA
  1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA
3.1. CURRICULOS E PROGRAMAS
3.2. GRADE CURRICULAR
3.3. DISCIPLINAS/CONTEUDOS CURRICULARES
3.4. AVALIAÇÃO ESCOLAR
3.4.1. AVALIAÇÃO/APROVEITAMENTO
3.4.2. RECUPERAÇÃO DE ESTUDOS
3.5. PROJETOS PEDAGÓGICOS

4.DIMENSÃO ADMINISTRATIVA
4.1.FORMAÇÃO DE TURMAS
4.2.MATRICULA/TRANSFERENCIA E ADAPTAÇÃO
4.3.DEPENDENCIA/REPETENCIA E DISPENSA DE DISCIPLINA
4.4.FREQUENCIA E INFREQUENCIA
4.5. EQUIVALENCIA DE ESTUDOS/CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
4.6. ANO LETIVO E CALENDÁRIO ESCOLAR
4.7.REGISTRO, ESCRITURAÇÃO E ARQUIVOS ESCOLARES
4.8.INCINERAÇÃO
4.9. BIBLIOTECA ESCOLAR

5.ORGÃOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DA UNIDADE ESCOLAR
5.1.ATRIBUIÇÕES DO DIRETOR
5.2.SERVIÇO TECNICO PEDAGÓGICO
5.3.ORIENTADOR EDUCACIONAL E ADMINISTRADOR ESCOLAR
5.4.ASSISTENTE TECNICO PEDAGÓGICO
5.5.CORPO DOCENTE
5.6. OS SERVIÇOS TECNICO ADMINISTRATIVOS
5.6.1. ASSISTENTE DE EDUCAÇÃO
5.6.2. ANALISTA TECNICO EM GESTÃO EDUCACIONAL
5.7.SERVIÇOS GERAIS
5.7.1.ATRIBUIÇÕES DOS SERVENTES
5.7.2. ATRIBUIÇÕES DA MERENDEIRA

6. CORPO DOCENTE

7. REUNIÕES PEDAGÓGICAS

8. PROCESSO DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

9. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

10. INSTANCIAS DEMOCRÁTICAS ESCOLARES
10.1. CONSELHO DE CLASSE
10.2. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES
10.3. CONSELHO DELIBERATIVO
11. UNIFORME

12. DIMENSÃO FINANCEIRA

13. DIMENSÃO FÍSICA
13.1.ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA
14.PROPRIEDADES, OBJETIVOS E METAS

15.DISPOSIÇÕES GERAIS

16. TERMO DE APROVAÇÃO

17. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

18. ANEXOS
· HINO DA ESCOLA
· CALENDARIO ESCOLAR
· HORÁRIO DOS PROFESSORES
· HORA ATIVIDADE
· HORÁRIO DA EQUIPE ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA
· HORÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DE SERVIÇOS GERAIS
· PLANO DE AÇÃO (ATP)
· CRONOGRAMA DE HOMENAGENS À BANDEIRA
· FICHA DE AVALIAÇÃO BIMESTRAL
· FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR
· FICHA DE AVALIAÇÃO DA TURMA

1. APRESENTAÇÃO:

O Projeto Político Pedagógico é compreendido como o processo de ação participativa grupal com pessoas interagindo politicamente em função das necessidades, interesses e objetivos comuns.
Busca um maior envolvimento de ação educativa, considerada responsabilidade de todos os membros da comunidade escolar.
A educação, em todos os tempos e principalmente nos dias de hoje, ressente-se de maior aprofundamento e clareza sobre o verdadeiro sentido da vida e da aprendizagem e sobre os objetivos a serem alcançados.
A escola deve ser um espaço para construção do saber e integração do indivíduo na sociedade.
Para efetivação do Projeto Político Pedagógico, é necessário que se desenvolva o processo educativo, como um verdadeiro trabalho integrado, gerador de mudanças em todos os aspectos.
O projeto político-pedagógico que apresentamos, antes de ser o cumprimento de uma formalidade legal, expressa na Lei 9394/96, Art. 12, que determina que as escolas elaborem seus respectivos projetos, é o registro das diretrizes e práticas de ensino da Escola de Educação Básica Engenheiro Álvaro Catão, situando: os docentes e técnicos, no universo educacional escolar em que atuam; os pais, na tomada de consciência da proposta teórico-metodológica; os alunos, sujeitos e objetos da ação educativa, na compreensão das bases sobre as quais se assentam seu processo educacional. Enfim, tem como propósito servir de referência para atuação de todos os segmentos da comunidade escolar.
Do ponto de vista teórico, a proposta pedagógica que vem sendo desenvolvida baseia-se no documento norteador da “PROPOSTA CURRICULAR DE SANTA CATARINA” – 1998 que incentiva a reorganização curricular das Unidades Escolares, com um referencial teórico de grande valia aos educadores preocupados em minimizar as diferenças existentes entre dominados e dominadores, estabelecendo diretrizes básicas a serem desenvolvidas; não como algo pronto e acabado, mas como uma tomada de posição do coletivo da escola em favor da transformação da realidade a qual estamos inseridos.
Dentro deste contexto, procuramos desenvolver um projeto próprio e bem fundamentado, partindo de dois questionamentos básicos: Que tipo de homens queremos formar? E para que sociedade? Pontos relevantes foram discutidos e avaliados, tais como: conteúdos, a abordagem dos conteúdos, avaliação, metodologia, objetivos, conselho de classe e outros.
Na tentativa de galgarmos a transformação desta realidade procuramos estabelecer metas que contribuam para a formação integral do aluno e que possuam relações coerentes com os propósitos de mobilidade social. Dessa forma, a proposta curricular está pautada em dois aspectos: na idéia de que os conteúdos formais devem ser significativos para o aluno e para a sociedade como um todo, portanto, contextualizados; e, acrescidos de conteúdos relacionais, de vivências, de atitudes e de valores, e inclusive de se repensar a prática.
Por fim, o projeto político-pedagógico que está sendo apresentado, não deve ser visto como algo acabado e concluído, que requer apenas ser executado, mas como um processo inconcluso, uma etapa em direção aos desafios e finalidades, estabelecidas como horizonte da escola. Nesse sentido, ele contém os princípios norteadores, tanto do ponto de vista dos valores éticos, quanto dos pressupostos teóricos e das práticas pedagógicas gerais e específicas, que apóiam a organização curricular e a condução do trabalho em sala de aula.
1.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA:

1.1.1 LOCALIZAÇÃO:
A E.E.B. engenheiro Álvaro Catão está localizada à Rua Aritiano Gonçalves, 150, Bairro Vila Nova Alvorada, município de Imbituba, SC. Pertence à rede Estadual de Ensino de ensino, vinculada a 19ª GERED de Laguna. Atende alunos do 1º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio e é uma escola Ambial.


1.2 HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO:

A E.E.B. Engº Álvaro Catão, código 769000941610, foi criado pelo decreto nº 1.201/60 de 20/11/60, denominado inicialmente de Grupo Escolar Álvaro Catão, para funcionar com o Ensino Fundamental de 1ª à 4ª Série. Através do decreto nº 154/73/SEE de 16/04/73, foi transformado em Escola Básica com a implantação gradativa de 5ª à 8ª Série, pela Portaria E/0232/85/SE de 18/06/85, foi criado Pré-escolar, Registro nº 2.597/85SEC. Portaria E/0130/87/SEC de 12/03/87, transformada de Escola Básica em Colégio Estadual e autoriza o funcionamento do Ensino Médio, com o Curso Técnico de Assistente de Administração, aprovado pelo parecer nº 0206/87/CEE de 10/03/87. a resolução nº 01 de 21/02/90 do CEE, altera a denominação “Assistente de Administração” para Técnico em Administração (desativado). Foi autorizado o funcionamento do Curso de Ensino Médio de Educação Geral, parecer nº 20/CEE/96, aprovado em 22/02/96 e Portaria E/085/SED/96, de 20/03/96, do Secretário de Estado da Educação e do Desporto. A Portaria E/017/SED, de 28/03/2000, altera a identificação dos estabelecimentos de Ensino da rede pública estadual, onde nossa Unidade Escolar ficou assim denominada: Escola de Educação Básica Engenheiro Álvaro Catão. A Escola é mantida pelo Estado de Santa Catarina / Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia – SED, vinculado – 19ª GERED e será regido por este Projeto, nos termos da Legislação em vigor.
Hoje a Escola é dirigida pelas professoras Elis Rosália Pires e Sílvia Alves de Oliveira, respectivamente, Diretora Geral e Assessora de direção. Atende aproximadamente 690 alunos, nos turnos matutino, vespertino e noturno, regularmente matriculados no Ensino Fundamental e Médio.
Funciona ainda, nas dependências da unidade escolar, no turno matutino, uma turma de educação infantil do município para a qual a escola disponibiliza uma sala de aula e ainda, no período noturno, uma sala para o curso supletivo, com alunos oriundos da comunidade e de outras localidades do Município. A maioria é originária de famílias com poucos recursos financeiros, o que faz com que estudem em um período e trabalhem em outro, ajudando na renda familiar.
1.2.1 PATRONO:
A escola tem como patrono o engenheiro Álvaro Monteiro de Barros Catão, que foi um dos homens mais importantes na história de Imbituba. Veio do Rio de Janeiro, por meio de Henrique Lage, após ter-se formado numa faculdade Carioca em 1919, com a missão de assumir a gerência da organização “Henrique Lage” e da “Estrada de ferro Dona Tereza Cristina”.
Apoiado por Henrique Lage, Álvaro Catão passou a desenvolver intensa atividade não só no setor portuário, como no transporte ferroviário. Como diretor da Estrada de Ferro Tereza Cristina, por vários anos, iniciou empreendimentos para dotar Imbituba de modernas instalações para embarques mecanizados de carvão.
Executou obras indispensáveis, para o funcionamento do porto, tais como: o quebra mar externo, que assegurou por vários anos uma pontuação às instalações existentes;
mandou construir armazéns, para a carga geral e prédios para escritórios de administração; uma usina termelétrica de 1.000 hp e respectiva rede; barragem para o represamento de água e rede de distribuição para a vila, arruamento para a localidade, prédios, residências para funcionários e operários; uma granja para exploração avícola e leiteira para o abastecimento da população e dos navios; um moderno e confortável hotel, além do Colégio que levou o seu nome – “COLÉGIO ESTADUAL ENGº ALVARO CATÃO”.
Álvaro Catão ainda foi nomeado diretor da CIA Docas de Imbituba, fundada em 1922, pela organização Henrique Lage.
Por iniciativa de Álvaro Catão, foi construído um moinho para beneficiamento da farinha de mandioca e descascador de arroz, a fim de servir os exportadores do Sul do Estado.
Álvaro Monteiro de Barros Catão, foi o 1º Prefeito de Imbituba, Município fundado em 1º de janeiro de 1924.
Álvaro Catão permaneceu no cargo de Prefeito até a Revolução de Trinta, quando a autonomia do Município foi suprimida.
Henrique Lage havia se tornado a fisionomia econômica da região. Mas os interesses politiqueiros falavam mais alto do que a disposição de um povo trabalhador. Álvaro Catão e Henrique Lage, dois autênticos pioneiros na transformação econômica de Imbituba, eram grandes visados, era necessário que fossem punidos.
Com a Revolução de Trinta, o carvão nacional entrou em crise, então Álvaro Catão, pediu ao governo que intercedesse por ele ao Presidente Getúlio Vargas, pedindo a este, uma quota fixa de carvão catarinense, num montante de 1 milhão de toneladas anuais, lavados e beneficiados.
Imbituba passou por um longo período de trabalho até a sua inauguração, infelizmente, o destino não permitiu que Álvaro Catão e Henrique Lage, pudessem assistir a cerimônia de inauguração de Imbituba, que representavam a velha aspiração e o coroamento de anos de trabalho.
Joel Ramos. Aluno da 8ª Série 01/1999

1.3 PRINCIPIOS NORTEADORES:
A escola tem como princípios norteadores a finalidade de constituir‑se em campo de ensino nos seguintes aspectos:
I ‑ a compreensão dos direitos e deveres da pessoa humana, do cidadão, do estado, da família e dos demais grupos que compõem a comunidade;
II ‑ o respeito à dignidade e a liberdade, fundamentais do homem, ressaltando as partes positivas e criadoras de cada ser;
III ‑ o atendimento, na sua área de atividade, das disposições do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei Federal n. 8069/90);
IV ‑ o fortalecimento da unidade nacional e da solidariedade internacional, de forma consciente e crítica;
V ‑ o desenvolvimento integral da personalidade humana e sua participação na obra do bem comum;
VI ‑ o preparo do indivíduo e da sociedade para domínio dos recursos científicos e tecnológicos que lhes permitam usar as possibilidades e vencer as dificuldades no meio;
VII ‑ a preservação e expansão do patrimônio cultural, priorizando a realidade local e regional;
VIII ‑ a condenação de qualquer tratamento desigual, por motivo de convicção religiosa, filosófica, política, bem como, qualquer preconceito de classe ou de raça;
IX ‑ o desenvolvimento da consciência crítica, proporcionando ao educando socialização do saber historicamente construído pela comunidade, estado e relações, com a qual possa ensejar uma ação transformadora;
X ‑ o acesso às pessoas da comunidade escolar, à cultura, à informação, ao desenvolvimento do espírito crítico, ao exercício responsável de liberdade.
1.4 OBJETIVO GERAL:
A Escola de Educação Básica Engº Álvaro Catão, tem por objetivo atender ao disposto nas Constituição Federal e Estadual e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96 e Lei Complementar nº 170/98 do Sistema Estadual de Educação. Ministrando o Ensino Fundamental e Médio observados, em cada caso, a legislação e as normas especificamente aplicáveis, contribuindo assim, para a aprendizagem de competências de caráter geral, visando a constituição de pessoas consciente, no exercício da cidadania, comprometidas e mais aptas a assimilar mudanças, mais autônomas em suas escolhas, mais solidárias, que acolham e respeitem as diferenças, pratiquem a solidariedade, a cooperação e superem a segmentação social, ou seja, uma educação que contemple o saber científico, a formação de pessoas intelectualmente bem preparada, consciente e comprometidas com a sociedade na qual estão inseridas.
1.5. DIAGNÓSTICO DA COMUNIDADE ESCOLAR

A comunidade de Vila Nova Alvorada caracteriza-se como sendo de relevo acidentado com declive acentuado. Apresenta uma população estimada em 6.000 (seis) mil habitantes, de composição étnica heterogênea, oriunda de diversas regiões.
O abastecimento comercial da comunidade é feito por mini-mercados, farmácias, bares, padarias, casa de material de construção, malharias, lojas de tecidos e confecções, açougue e salões de beleza.
A comunidade conta com vários telefones públicos e particulares.
Há um ponto de táxi fixo na comunidade com uma pequena frota de carros. Existem duas linhas de ônibus que circulam durante todo o dia com linhas regulares, facilitando assim, o acesso ao centro da cidade e localidades vizinhas.
A economia baseia-se no comércio e serviços particulares e em indústrias no centro da cidade.
Predomina na comunidade a classe dos operários assalariados e pescadores, ultimamente constatando-se o número dos sub-assalariados. É uma comunidade de baixa renda. Não existem entidades classistas.
Quanto aos serviços culturais, a comunidade é servida por um Centro Comunitário, onde funcionam cursos de artesanatos, clubes de mães, grupo de terceira idade.. Possui também o CAIC (Centro de Atendimento Integrado a Criança).
No campo religioso, existe a Igreja Católica, a Assembléia de Deus, a Igreja Adventista do 7º Dia, Igreja do Evangelho Quadrangular, Congregação Cristã e Igreja do Amor de Jesus, sendo que a grande maioria pertence a Igreja Católica, alguns curandeiros e sortistas atraem a fé do povo.
Está situada nesta comunidade a Cadeia Pública do Município.
A comunidade conta com uma Unidade de Saúde Pública, mantida pelo SUS – sistema Único de Saúde, onde oferece serviços de vacinação, atendimento médico e odontológico, e com o Programa Saúde na Família.
O abastecimento de água é feito pela CASAN, a Energia Elétrica pela CELESC, possui rede de esgoto e a coleta de lixo é realizada periodicamente pela Prefeitura Municipal de Imbituba. Quanto a recreação e esporte, a comunidade conta com as seguintes alternativas:
· Clube Náutico Praiano;
· Quadra de Esporte;
· Rampa de Skate;
· Grupos de Pagode;
· Praça Pública.
· Campo de futebol
As moradias são: casas de alvenaria e de madeira e casebres..
A maioria das ruas são calçadas e as avenidas que ligam a comunidade ao centro da cidade e as comunidades vizinhas são asfaltadas.


1.5.1 QUESTIONÁRIO SÓCIO ECONÔMICO DOS ALUNOS DA U. E. E SUAS FAMÍLIAS:
( TABELAS DE PORCENTAGENS)
Gráfico 1: Idade dos alunos matriculados na E.E.B. Engº Álvaro Catão
clip_image002


Gráfico 2: Composição étnica declarada pelos alunos da U E.
clip_image004





Gráfico 3: Estado Natal dos alunos da U E.
clip_image006


Gráfico 4: Moradia dos alunos da U. E.
clip_image008



Gráfico 5: Com quem moram os alunos da U E.
clip_image010
Gráfico 6: Religião declarada pelos alunos da U E.
clip_image012
Gráfico 7: Renda familiar dos alunos da U.E.
clip_image014


Gráfico 8: Número de pessoas sustentadas com a renda familiar dos alunos da U.E.
clip_image016
Gráfico 9: Número de pessoas que contribuem para a renda familiar dos alunos da U.E.
clip_image018

Gráfico 10: Número de filhos menores de 6 anos das famílias dos alunos da U.E.
clip_image020

Gráfico 11: Nível de instrução dos pais dos alunos da U.E.
clip_image022
Gráfico12: Nível de instrução das mães dos alunos da U.E.
clip_image024


Gráfico 13: Estado civil dos pais dos alunos da U.E.
clip_image026

Gráfico 14: Número de carros por residência dos alunos da U.E.
clip_image028


Gráfico 15: Número de computador por residência dos alunos da U.E.
clip_image030


Gráfico 16: freqüência da leitura de jornal das famílias dos alunos da U.E.
clip_image032
2. PAPEL DA UNIDADE ESCOLAR
2.1. PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS:
Cada sociedade, em um momento histórico, possui determinada concepção do ser humano. Vimos que ao passar dos tempos a educação pública vem mobilizando-se para acompanhar as novas tendências pedagógicas, teorias e metodologias que procuram superar deficiências, deixadas por teorias anteriores, ou que não se preocuparam com um determinado objeto de estudo ou até de acompanhar o momento histórico atual.
Demerval Saviani (1) propõe:
..................................... “Uma pedagogia articulada aos interesses populares valorizará, pois, a escola. Não será indiferente ao que ocorre em seu interior, estará empenhado em que a escola funcione bem; portanto estará interessada em métodos de ensino eficazes. Tais métodos se situarão para além dos métodos tradicionais e novos, superando por incorporação as contribuições de uns e de outros. Portanto, serão métodos que estimularão a atividade e iniciativa do professor; favorecerão o diálogo dos alunos entre si e com o professor mais sem deixar de valorizar o diálogo com a cultura acumulada historicamente, levarão em conta os interesses dos alunos, os ritmos de aprendizagens e o desenvolvimento psicológico, mas sem perder de vista a sistematização lógica dos conhecimentos, sua ordenação e graduação para efeitos do processo de transmissão-assimilação dos conteúdos cognitivos”.
Devemos conceber esta prática pedagógica como uma prática social comum a educandos e educadores em um sistema de interação social.
Que conhecimentos devemos dominar para resolver as questões sociais que afligem a classe dominada, e como serão transmitidos estes conhecimentos? De que forma e que conhecimentos devem ser priorizados?
Para concretizar essa iniciativa, fundamentados em uma Proposta Sócio Interacionista, estamos buscando estudos aprofundados sobre o ensino mais premente nos tempos atuais com o intuito de modificarmos, de transformarmos gradativamente as questões mais polêmicas enfrentadas pela comunidade escolar.
2.2 O PAPEL DO EDUCADOR:

Ao longo da história da educação brasileira, ocorreram inúmeras mudanças no cenário sóciopolítico inaugurando, por assim, novas formas de se pensar e fazer a educação. E, em meio a esta série de oscilações, o professor foi se construindo, sob um caráter essencialmente flutuante transitando entre os diversos papéis existentes, decorrentes dos diversos entendimentos e práticas pedagógicas assumidas.
Passando primeiramente por um papel de autoridade, no qual representava a autoridade máxima na arte de ensinar, o professor estabelecia com a criança, uma relação de caráter vertical. Corroborando a hierarquia social, colocava‑se no papel de mero transmissor do conhecimento resguardando a criança, a tarefa de assimilar o que ouvia.
Dadas as inúmeras lacunas existentes nesta prática e às novas exigências sociais, a escola viu‑se então, obrigada a desenvolver um novo fazer, convidando, conseqüentemente, o professor, a buscar um novo papel. Deve‑se entender como possível agente transformador da sociedade não somente pela sua inserção e prática na escola, mas também como membro de uma classe organizada, como cidadão‑participante, reflexivo, capaz de uma ação e intervenção política. Sua atuação deve construir um espaço de reflexão, articulação e transformação social.
O papel do professor, como se pode perceber, passa longe da simples reprodução de conhecimento, apesar de nossa concepção ainda ser tradicional, pois como citamos anteriormente, estamos em vias de transformação, caminhando passo a passo em direção a uma nova concepção. Está na contribuição para a formação de subjetividade autêntica, na oportunização da expressão das singularidades, da não obstrução do processo.
Sendo assim, o professor tem como principal papel, ser o mediador entre o conhecimento que o aluno possui e que a humanidade já elaborou. É alguém que ajuda e instiga seus alunos, a ampliarem seus conhecimentos ao mesmo tempo em que é sujeito do processo ensino‑aprendizagem.


2.3. FINALIDADES DA EDUCAÇÃO
Incorporação dos três princípios norteadores da LDB: sensibilidade, igualdade e identidade. A estética da sensibilidade em lugar de uma estética estruturada, padronizada; a política da igualdade, que não só defende a igualdade formal, como também se expressa na busca da equidade, no acesso á educação, ao emprego, á saúde, ao meio ambiente saudável e no combate a todas as formas de preconceito e discriminação por motivo de raça, sexo, religião, cultura, condição econômica; a ética da identidade, que significa educar não a partir da transmissão de valores morais, mas criar as condições para que as identidades se constituam pelo desenvolvimento da sensibilidade e pelo reconhecimento do direito á igualdade a fim de que orientem suas condutas por valores que respondam às exigências do seu tempo.




2.4 OBJETIVO ESPECÍFICO DA ESCOLA

Função Social da Escola:
Promover, ao aluno, acesso ao conhecimento sistematizado e, a partir deste, a produção de novos conhecimentos. Preocupar-se com a formação de um homem consciente e participativo na sociedade em que está inserido.


3. DIMENSÃO PEDAGÓGICA

3.1 CURRÍCULOS E PROGRAMAS:
As atividades escolares constarão de aulas, demonstrações, palestras, conferências, exposições, comemorações, exercícios ou tarefas realizadas em classe, casa ou em outros lugares adequados, trabalhos práticos, pesquisas, atividades complementares ou extraclasses, bem como outros que objetivam a formação integral do educando, além de provas, exames e testes, atividades de recuperação preventiva e paralela.
O ensino Fundamental e Médio será organizado em conformidade com a legislação específica, Lei 170/98 de 07/08/98 em seus artigos 26º e 29º e analisados pela Secretaria de Estado da Educação.
A organização curricular de cada nível de ensino deverá estar em consonância com o Projeto Político Pedagógico da unidade escolar ou legislação vigente.
As classes serão organizadas em conformidade com o Plano de Matricula.
O inicio e término de cada período letivo será fixado de acordo com o calendário escolar, estabelecido SED/GERED.
3.2.GRADE CURRICULAR

A Escola de Educação Básica Engenheiro Álvaro Catão, adota as seguintes Grades Curriculares:
Grade Curricular- Ensino Fundamental- 1ª a 8ª série
· Número mínimo de dias de efetivos trabalhos escolares: 200 dias
· Número mínimo de semanas letivas: 40 semanas
· Número de dias semanais de efetivos trabalhos: 05 dias
· Duração hora/aula: 45 minutos (4h dia)
· Carga horária anual para os alunos: 800 horas
BASE COMUM DISCIPLINAS ENSINO FUNDAMENTAL
L. Portuguesa X X X X 4 4 4 4
Matemática X X X X 4 4 4 4
História X X X X 3 3 3 3
Geografia X X X X 3 3 3 3
Ciências X X X X 3 3 3 3
L.E.(Inglês) - - - - 3 3 3 3
Ensino Religioso X X X X 1 1 1 1
Educação Física 3 3 3 3 3 3 3 3
Arte 2 2 2 2 2 2 2 2
Total semanal 25 25 25 25 26 26 26 26
Na Matriz Curricular dos anos iniciais não consta divisão da carga horária, pois o professor desenvolve atividades com os conceitos das disciplinas da Base Nacional Comum. A disciplina de Ed. Física será ministrada por professor habilitado com carga horária semanal de 3 (três) aulas, bem como a de Arte, com carga horária de 2 aulas
OBS: Intervalo de recreio de 15 minutos monitorado pelos professores.

Grade Curricular – Ensino Médio Diurno – código/matriz no SERIE: 2910
· Número mínimo de dias de efetivos trabalhos escolares: 200 dias
· Número mínimo de semanas letivas: 40 semanas
· Número de dias semanais de efetivos trabalhos: 05 dias
· Duração hora/aula: 48 minutos
· Carga horária anual para os alunos: 800 horas
Grade Curricular – Ensino Médio Noturno – código/matriz no SERIE: 2912
· Número mínimo de dias de efetivos trabalhos escolares: 200 dias
· Número de semanas letivas: 48 semanas
· Número de dias semanais de efetivos trabalhos: 05 dias
· Duração hora/aula: 40 minutos
· Carga horária anual para os alunos: 800 horas
Obs: Nova Grade Curricular do Ensino Médio que passa a vigorar a partir de 2009. As mudanças acontecerão gradativamente a cada ano letivo iniciando pela 1ª série até atingir todas as séries.
ÁREAS DO CONHECIMENTO DISCIPLINAS SÉRIES
CARGA HORÁRIA TOTAL
Linguagens Códigos e suas Tecnologias L.Port. e Literat.
3 3 3 288
L.Ext.Moderna 2 2 2 192
Artes 2 1 2 160
Educação física 2 2 2 192
Subtotal 9 8 9 832
Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Química 2 2 2 192
Física 2 2 2 192
Biologia 2 2 2 192
Matemática 3 3 3 288
Subtotal 9 9 9 864
Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2 2 2 192
História 2 2 2 192
Filosofia 1 2 2 160
Sociologia 2 2 1 160
Subtotal 7 8 7 704
Totais Semanais 25 25 25 2.400



GRADES CURRICULARES EM USO NO ANO DE 2009

IDENTIFICAÇÃO

HORÁRIO

MATRIZ

CURSO
Ensino Fundamental Anos Iniciais MAT/VESP 410 150
Ensino Fundamental Anos Iniciais MAT/VESP 1180 150
Ensino Fundamental Anos Finais MAT/VESP 990 151
Ensino Médio MAT/VESP 2910 9920
Ensino Médio NOTURNO 2912 9920
Ensino Médio MAT/VESP 1194 9920
Ensino Médio NOTURNO 1195 9920
Projeto AMBIAL MAT/VESP 2650 194

3.3.DISCIPLINAS/CONTEÚDOS CURRICULARES. (Plano de Curso em anexo)
3.4. AVALIAÇÃO ESCOLAR:
3.4.1. AVALIAÇÃO/APROVEITAMENTO

A Avaliação do rendimento escolar é um processo continuo e de forma global, tendo por objetivo a verificação da aprendizagem, promovendo o aperfeiçoamento do processo ensino aprendizagem, buscando o aproveitamento e o desenvolvimento do educando, na construção do conhecimento bem como a apuração final do rendimento escolar, a ser expresso em notas de 1,00 (um) à 10,00 (dez), observendo a freqüência mínima de 75% do total de horas letivas, sendo estes registros organizados em 04 bimestres.
Para obter aprovação nos estudos, o aluno terá que alcançar os níveis de apropriação de conhecimentos, que no seu registro não seja inferior a 70% (setenta por cento) dos conteúdos efetivamente trabalhados por disciplina, ou seja, 28 pontos distribuídos nos quatro bimestres do ano letivo. Para os alunos, cuja soma dos bimestres não atingir os 28 pontos e que, submetidos a exame final, será adotada a seguinte fórmula:
MF = (MA .1,7) + (NPF.1,3) = <14
MF= Média final
MA= Média anual
NPF= Nota da Prova Final
A avaliação do rendimento escolar far-se-á pela observação constante do desempenho, habilidades, atitudes e criatividade do aluno, provas, exercícios, trabalhos individuais ou em equipes, pesquisas, tarefas, atividades de classe e extra-classe ou outras atividades julgadas necessárias.
A recuperação de estudos acontecerá paralelamente sempre que o aluno apresentar rendimento inferior a 70%. O resultado obtido na avaliação, após os estudos de recuperação substituirão as avaliações anteriores, caso seja maior.
A Escola deverá levar ao conhecimento dos alunos os critérios de avaliação adotados.
A verificação do rendimento escolar deverá obedecer ao disposto na Legislação vigente às Diretrizes emanadas pela Secretaria de Estado da Educação.
Quanto ao pedido de revisão de provas finais, o mesmo poderá ser feito no período de 48 (quarenta e oito horas) após a divulgação do resultado.
Considerar-se-á reprovado quanto ao aproveitamento o aluno de Ensino Fundamental e Médio que não alcançar nota 7,0 (sete), e após as novas oportunidades de avaliação não obtiver os 14 pontos previstos na Resolução.
3.4.2. RECUPERAÇÃO DE ESTUDOS:
Os estudos de recuperação visam novas oportunidades de aprendizagem, no decorrer do período letivo – durante os trabalhos escolares normais – em cada disciplina ou atividade, para superar as deficiências verificadas.
A recuperação será oferecida de forma contínua e paralela:
1. Em sala de aula para todos os alunos com exercícios orais e escritos;
2. Com atividades de estudo em casa ou na biblioteca para pesquisas e trabalhos dos conteúdos ministrados.
3.5 PROJETOS PEDAGÓGICOS:

  • Projeto de Leitura – Visa estimular o gosto pela leitura, oportunizar acervo bibliográfico aos alunos, melhorar a escrita, o vocabulário, o raciocínio e a interpretação, contribuindo para a melhoria na qualidade do ensino.

  • Projeto Dia da Fruta - Estimular os alunos e consequentemente suas famílias a manter hábitos de alimentação saudável, conhecer os nutrientes dos alimentos e as vantagens ao organismo humano.

  • Projeto Escola Cidadã – Oportunizar aos alunos o conhecimento necessário para exercer seus direitos e cumprir seus deveres de cidadãos com responsabilidade.

  • Projeto Oficina de Matemática- Disponibilizar aos alunos com dificuldade em matemática básica oportunidade de esclarecer suas dúvidas e adquirir novos conhecimentos no contraturno em que estudam. Procura desenvolver o raciocínio, a criatividade, coordenação, atenção e trabalho em grupo.
  • Projeto diversificando oportunidades- Oferecer aos alunos do ensino médio acesso a literatura, doutrinas de incentivo, valorização e auto-estima.

  • Projeto xadrez na escola – Popularizar o xadrez entre os estudantes e a comunidade, desenvolvendo o raciocínio, atenção e estratégias necessárias.



4.DIMENSÃO ADMINISTRATIVA:

4.1. FORMAÇÃO DE TURMAS:

Visando orientar as práticas decorrentes dos fundamentos legais definidos nos artigos 67, inciso VI, e artigo 82, inciso VII da Lei Complementar 170, de 07 de agosto de 1998; as turmas de Educação Básica devem organizar-se como segue:
  • Anos Iniciais do Ensino Fundamental:
1ª Série (6 anos) – 25 alunos;
2ª a 4ª Série – 30 alunos
  • Anos Finais do Ensino Fundamental:
5ª a 8ª Série – 35 alunos
  • Ensino Médio Educação Geral: 40 alunos
  • Adoção de 1,30m² por aluno, mais 2,50m² para o professor, no mínimo, mais as áreas destinadas à circulação interna e aos equipamentos didáticos de cada sala de aula.


4.2. MATRÍCULA/TRANSFERÊNCIA E ADAPTAÇÃO


O Plano de Matrícula será elaborado, anualmente, pela Secretaria de Estado da Educação.
A Direção da Unidade Escolar será responsável pela divulgação do período e dos critérios para efetivação de matrícula.
No ato da matrícula, o aluno, o pai ou responsável deverão tomar conhecimento dos dispositivos do Projeto Político Pedagógico.
Para matrícula inicial, na Unidade Escolar, o candidato deverá apresentar certidão de nascimento ou documento de identidade e atender o Estabelecimento na Legislação em vigor.
Para matrícula de alunos transferidos de outros Estabelecimentos de Ensino a Unidade Escolar deverá exigir os seguintes documentos: atestado de frequência e histórico escolar devidamente assinados pelos responsáveis.
Fica estabelecido o prazo de (30 trinta) dias para apresentação dos documentos exigidos no ato da matrícula.
O aluno que não apresentar a documentação exigida para a efetivação da matrícula, no prazo acima estabelecido, perderá sua vaga.
Constatada irregularidade no documento do aluno, referente a série em que está cursando, a Unidade Escolar deverá comunicar o mesmo por escrito oportunizando-o uma nova chance de rever sua situação escolar.
Para os atuais alunos da Unidade Escolar, a renovação de matrícula será automática e dentro das normas vigentes adotadas pela Secretaria do Estado da Educação.
A Unidade Escolar aceitará a transferência, observadas as exigências e formalidades, legais.
A transferência far-se-á pelo Núcleo Comum, fixado em âmbito nacional, observados os princípios e normas vigentes.
A transferência oriunda de países estrangeiros, dar-se-á em conformidade com a legislação vigente.
A aceitação da transferência será efetivada com documentação exigida.
A transferência de turno e ou turma somente ocorrerá após ouvida a direção e professores, em comum acordo com o pai ou responsável.
A transferência ocorrerá por conveniência disciplinar ou de ordem pedagógica.
O pedido de transferência de turno é efetivado mediante requerimento do aluno, quando maior, ou de seu pai ou responsável, quando menor, justificando o pedido.
A divergência de currículo em relação às disciplinas da Parte Diversificada, acrescentadas pela Unidade Escolar, não constituirá impedimento para aceitação da matricula por transferência.
O aluno que vier transferido de outro estabelecimento de ensino com plano curricular diferente do previsto pela Unidade Escolar, estará sujeito à adaptação nas disciplinas que não tenham cursado em série anterior ou equivalente, até o máximo de 4 disciplinas, para o Ensino Médio.
A adaptação é restrita aos conteúdos programáticos, e não de frequência da carga horária prevista.
A adaptação será desenvolvida sem prejuízo das atividades normais da série em que o aluno se matricula, e concluída antes do resultado final da avaliação do rendimento escolar.
A adaptação far-se-á mediante a execução de trabalhos orientados pelo Professor, com acompanhamento dos Especialistas em Assunto Educacionais e Direção da Unidade Escolar.
4.3..DEPENDÊNCIA/ REPETÊNCIA E DISPENSA DE DISCIPLINA


A dependência e dispensa de disciplina no Ensino Fundamental e Médio serão adotados de acordo com a Legislação vigente - Lei nº 9394;
A dependência é a possibilidade de um aluno ser promovido à série seguinte com reprovação em até duas disciplinas a partir da 5ª Série.
A dependência deverá ocorrer na Unidade Escolar em que o aluno estiver matriculado na série subseqüente.
Cabe ao aluno em dependência, procurar a Unidade Escolar e matricular-se na disciplina em horário compatível com o curso em que estiver freqüentando.
A Unidade Escolar que receber o aluno deverá fazer a matrícula por dependência, enturmá-lo na série e curso que oferece a disciplina (Sistema Série Escola), bem como fornecer comprovante de conclusão da disciplina, contando a Avaliação Final.
A dependência só ocorrerá quando for oferecido o mesmo curso em dois turnos.
A Unidade Escolar que não atender ao parágrafo anterior garantirá a matrícula do aluno, na série em que foi reprovado, com a dispensa das disciplinas em que obteve aprovação.
Neste estabelecimento de ensino, conforme estabelecido em reunião com professores e direção, a dependência acontecerá através de aulas presenciais da disciplina, avaliando-se através de provas individuais e apresentação de trabalhos com datas pré-fixadas pelo professor. A conclusão da dependência ocorrerá no 1º semestre caso o aluno não consiga aprovação, será oportunizado no 2º semestre. A partir do 2º semestre o aluno deverá concluir a dependência na disciplina com a apresentação e entrega de trabalhos com datas previstas antecipadamente pelo professor e freqüentar as aulas.
Esta Unidade Escolar proporcionará aos alunos de 7ª e 8ª Série do Ensino Fundamental e para todas as séries do Ensino Médio a dispensa das disciplinas (repetência) em que os alunos obtiveram aprovação. Aos alunos de 5ª e 6ª série do Ensino Fundamental será obrigatória a freqüência em todas as disciplinas, mesmo aquelas em que já obtiveram aprovação, pois, entendemos que, como são alunos de menos idade, ficam ociosos pelo pátio agravando o problema disciplinar, interferindo no processo de ensino- aprendizagem.
O aluno que trabalha deverá apresentar uma declaração de trabalho para realizar a dependência apenas com trabalhos.
QUADRO DE ACOMPANHAMENTO ANUAL: DEPENDÊNCIA E DISCIPLINAS COM MAIOR INDICE DE REPETÊNCIA.

DISCIPLINAS COM MAIOR INDICE DE REPETENCIA

ANO CURSO DISCIPLINAS SÉRIES
2007 ENSINO FUNDAMENTAL -
SÉRIES INICIAIS
LINGUA PORTUGUESA
MATEMÁTICA
1ª a 4ª SÉRIES
ENSINO FUNDAMENTAL –
SÉRIES FINAIS
LINGUA PORTUGUESA
GEOGRAFIA
GEOGRAFIA
HISTÓRIA
LINGUA PORTUGUESA
GEOGRAFIA
HISTÓRIA
MATEMÁTICA
GEOGRAFIA
ENSINO MÉDIO FÍSICA
QUÍMICA
GEOGRAFIA
LÍNGUA PORTUGUESA
MATEMÁTICA
1ª e 2ª SÉRIES

DEPENDENCIAS

ANO SÉRIE Nº DE ALUNOS
2005 ENS. FUND. 5ª A 8ª SÉRIE 16
ENSINO MÉDIO 05
2006 ENS. FUND. 5ª A 8ª SÉRIE 13
ENSINO MÉDIO 14
2007 ENS. FUND. 5ª A 8ª SÉRIE 15
ENSINO MÉDIO 20
2008 ENS. FUND. 5ª A 8ª SÉRIE 28
ENSINO MÉDIO 23
2009 ENS. FUND. 5ª A 8ª
SÉRIE
40

4.4.FREQÜENCIA E INFREQÜENCIA

De acordo com a lei 9495/96 a aprovação do aluno está condicionada ao mínimo de 75% de freqüência às aulas, em relação aos 100% do cômputo total da carga horária anual em vigor. Isto é, a apuração da freqüência não se dará mais sobre a carga horária específica da disciplina, e sim sobre o total da carga horária anual.
O professor da turma ou disciplina ficará responsável pelo registro da freqüência dos alunos em seu diário de classe, bem como, o acompanhamento e o desempenho em sala de aula.
Ao observar a infreqüência do aluno, o professor deverá comunicar à direção que tomará as seguintes providências:
Ø Conversa com o aluno para diagnosticar causas de caráter pedagógico; (orientadora)
Ø Contato com as famílias para diagnóstico da causa da infreqüência na escola;
Ø Comunicar as autoridades competentes.
Ø
Em relação a outros casos, como a impossibilidade temporária de freqüência às aulas por motivo de doença ou licença de gestação, os interessados deverão entrar em contato com a secretaria da escola e através de atestado médico, terem suas faltas justificadas, podendo assim receber orientações para efetuar trabalhos, provas e ou atividades escolares.


4.5. EQUIVALÊNCIA DE ESTUDOS/CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
Nesta Unidade Escolar, a Equivalência de Estudos será de acordo com o estabelecido na Resolução nº 34/99/CEE/SC.
“Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação de diplomas e certificados, transferências de país estrangeiro para o Brasil e adota outras providências.”
A Classificação nesta Unidade Escolar, será por:
· Promoção para alunos que cursaram com aproveitamento, na própria escola;
· Avaliação independente de comprovação de escolarização anterior, mesmo que não tenha certificação formal, mediante classificação, feita pela escola, que avalia o conhecimento e a experiência do aluno permitindo sua matrícula na série;
· Transferência para alunos procedentes de outras escolas.
A Reclassificação será de acordo com a Lei nº 9.394/96 e a Lei Complementar nº 170/98.
Reclassificar significa reposicionar o aluno na série, diferente daquela indicada em seu histórico escolar. Podendo ser através de:
· Avanço de séries ou cursos por alunos com comprovante de desempenho;
· Aceleração de Estudos por alunos com atraso escolar, com defasagem em relação idade/série;
· Transferência entre estabelecimentos situados no país e no exterior.
4.6. ANO LETIVO E CALENDÁRIO ESCOLAR (calendário escolar em anexo)
Entende‑se por ano letivo o período em que se realizarão as aulas e demais atividades escolares, inclusive avaliações com a duração necessária para execução integral dos programas e realizações de todas as atividades previstas.
O início e o término do período letivo será fixado pelo calendário escolar, conforme a legislação vigente de 200 dias letivos no total de 800 horas/aula.
Entende‑se por dia letivo toda atividade curricular diária executada dentro ou fora do estabelecimento e que envolve corpo docente e discente.
São considerados dias letivos:
I - aqueles em que o estabelecimento de ensino funciona com suas atividades normais de aula;
II - os feriados em que se desenvolvam comemorações de datas cívicas ocorrem à presença obrigatória dos alunos e professores;
III - os dias destinados às atividades esportivas e culturais, desde que ocorra a participação obrigatória dos alunos e professores;
O calendário escolar em obediência às determinações legais e decisões dos órgãos competentes, fixará os dias feriados, os recessos escolares, matrícula, planejamento, aperfeiçoamento de professores, avaliações, recuperação, conselho de classe e outros.
O inicio do ano letivo será fixado pela Secretaria de Estado da Educação.

4.7. REGISTRO, ESCRITURAÇÃO E ARQUIVOS ESCOLARES

A escrituração e o arquivamento dos documentos escolares têm como finalidade assegurar, em qualquer tempo, a verificação da:
I. Identidade de cada aluno;
II. Regularidade de seus estudos;
III. Autenticidade de sua vida escolar;
IV. Documentação específica da Unidade Escolar.
Os atos escolares serão registrados em livros, fichas ou instrumentos informatizados, resguardadas as características imprescindíveis, cabendo sua autenticidade à posição da assinatura do Diretor e Assistente de Educação.
Constituem o Arquivo Escolar:
I. Documentação relativa ao Corpo Discente, que compreende:
a) a ficha de matrícula;
b) a ficha individual;
c) o histórico escolar;
d) o boletim escolar;
e) o registro de freqüência.
II. Documentação relativa à Unidade Escolar, que compreende:
a) o controle do ponto;
b) o registro do patrimônio;
c) as atas de exame ou processos especiais;
d) as atas e resultados de conselho de classe;
e) os assentamentos individuais de professores e funcionários;
f) os avisos e convocações.
4.8. INCINERAÇÃO
A Incineração consiste no ato de queima dos documentos que, não necessitam mais permanecer em arquivo.
Poderão ser incinerados os documentos que estão previstos no Projeto Político Pedagógico/PPP.
· Requerimentos e/ ou atestados de matrícula;
· Atestados (médicos/freqüência/vaga e ofícios);
· Provas e/ ou exames dos alunos (após um ano);
· Plano de curso e/ ou de aula (após cinco anos);
· Outros que a escola achar necessários e que não implicam a perda da história do estabelecimento de Ensino e da vida escolar do aluno.
O ato de incineração será lavrado em ata assinada pelo Diretor, Assistente de Educação e demais funcionários presentes.





4.9. BIBLIOTECA ESCOLAR:


A biblioteca escolar é um elemento de apoio ao desenvolvimento do currículo e programas educacionais da escola.
Além do material recebido do estado, para manutenção e aumento do acervo bibliográfico, a biblioteca contará com recursos ou doações de terceiros, feitas desinteressadamente.
A organização e o funcionamento da biblioteca serão regidos por regulamento próprio, que será aprovado pela direção.
A guarda do material didático‑pedagógico será de competência de pessoa indicada pela direção.
Compete ao responsável pela biblioteca:
a) Elaborar, juntamente com o serviço Técnico-Pedagógico, o regulamento próprio, onde estará explicando o funcionamento da biblioteca escolar, com a aprovação da direção;
b) Selecionar, juntamente com docentes e especialistas em assuntos educacionais, material bibliográfico, adquiri-los e processá-los tecnicamente;
c) Catalogar e classificar livros e periódicos;
d) Orientar os usuários sobre o funcionamento e bom uso da biblioteca escolar;
e) Colocar a biblioteca à disposição da comunidade escolar, atendendo a legislação em vigor;
f) Programar atividades para transformar a biblioteca escolar num espaço cultural e pedagógico;
g) Exercer o controle de empréstimo e devolução dos volumes, cobrando as multas quando necessário, de acordo com as regras em vigor;
h) Informar e divulgar, junto as equipes Técnico-Administrativo, Pedagógico e Docente, o material bibliográfico existente e disponível para uso na biblioteca.
5. ÓRGÃOS NECESSÁRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DA UNIDADE ESCOLAR
Dos órgãos necessários ao funcionamento da Unidade Escolar, abrangem os seguintes serviços:
· Diretor de Escola;
· Assessor de Direção;
· Assistente de Educação;
· Assistente Técnico Pedagógico;
· Analista Técnico em Gestão Educacional;
· Corpo-Discente;
· Associação de Pais e Professores - APP;
· Conselho Deliberativo;
· Grêmio Estudantil.

5.1. ATRIBUIÇÕES DO DIRETOR

A direção é o órgão que gerência o funcionamento dos serviços escolares no sentido de garantir o alcance dos objetivos educacionais da Unidade Escolar, definidos seu projeto Político Pedagógico.
A direção mencionada neste projeto é composta pelo Diretor, e pela sua assessora de direção e Assistente de Educação.

COMPETE AO DIRETOR:


a) Convocar representante das Entidades escolares como: Associação de Pais e Professores – APP e conselho deliberativo, para participar do processo de elaboração do Projeto Político Pedagógico.
b) Coordenar, acompanhar e avaliar a execução do Projeto Político Pedagógico da unidade escolar;
c) Coordenar o plano de aplicação financeira e a respectiva prestação de contas.
d) Coordenar o processo de implementação das diretrizes pedagógicas emanadas da Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia;
e) Participar do conselho de classe.
f) Repor alterações na oferta de serviços de ensino prestado pela escola;
g) Manter o fluxo de informações entre a Unidade Escolar e os órgãos da Administração Estadual de Ensino;
h) Planejar com os Técnicos-Pedagógicos e Técnicos-Admministrativos as estratégias de ensino que serão incorporadas ao Planejamento anual da Unidade escolar;
i) Aplicar normas, procedimentos e medidas administrativas emanadas pela Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia;
j) Coordenar a elaboração do Calendário Escolar e garantir o seu cumprimento.
k) Cumprir e fazer cumprir a legislação em vigor, comunicando aos órgãos de Administração Estadual de Ensino as irregularidades no âmbito da Escola e aplicar medidas saneadoras.
l) Apreciar os estatutos da APP e Conselho Deliberativo.
m) Convocar e coordenar as reuniões pedagógicas e outras e assinar documentos e papéis escolares.
n) Aplicar penalidades disciplinares aos professores, funcionários e alunos da Unidade Escolar, segundo disposições deste Projeto e Legislação vigente;
o) Supervisionar a cantina, onde esta tiver autorização de funcionamento, respeitada a Lei vigente.
p) Coordenar as solenidade e festas de Formaturas.
q) Administrar o patrimônio escolar em conformidade com a Lei vigente.


5.2. SERVIÇO TÉCNICO PEDAGÓGICO

Constituem os Serviços Técnicos Pedagógicos:
· Orientação Educacional;
· Administração Escolar;
· Assistente Técnico Pedagógico
· Docência;

5.3. ORIENTADOR EDUCACIONAL E ADMINISTRADOR ESCOLAR
Ao orientador Educacional e Administrador Escolar cabe participar na elaboração, execução e avaliação do Projeto Político Pedagógico da Unidade escolar.
Cada especialista em assuntos educacionais deverá exercer as suas funções específicas e de forma integrada as demais atribuições relacionadas a seguir:
a) Subsidiar a direção na definição do calendário escolar, organização das classes e do horário semanal e distribuição de aulas.
b) Elaborar juntamente com a direção, o calendário escolar, zelando pela sua execução.
c) Subsidiar a Unidade escolar para que ela cumpra a sua função de socialização e construção do conhecimento.
d) Acompanhar o processo ensino aprendizagem, atuando junto aos alunos, pais e professores, no sentido de propiciar a aquisição do conhecimento científico, erudito e universal, para que o aluno reelabore os conhecimentos adquiridos e elabore novos conhecimentos.
e) Promover e coordenar reuniões sistemáticas de estudo, de conselho de classe e de trabalho de aperfeiçoamento constante de todo o pessoal envolvido nos serviços de ensino.
f) Acompanhar com o corpo docente o processo didático-pedagógico, garantindo a execução do currículo e a recuperação de estudos, através de novas oportunidades a serem oferecidas aos alunos, previsto na lei vigente;
g) Acompanhar a adaptação de estudos, em caso de recebimento de transferências de acordo com a legislação vigente.
h) Coordenar o processo de análise e seleção dos livros didáticos, obedecendo as diretrizes e os critérios estabelecidos pela Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia garantindo a adoção dos mesmos após a votação entre os professores da área.
i) Decidir sobre aceitação de transferências de alunos oriundos de outros estados, a pedido, por problemas disciplinares se conseguida a aprovação de ok dos presentes.
j) Garantir a articulação entre a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio.
k) Coordenar, organizar e atualizar a coleta de dados estatísticos que possibilite a constante avaliação do processo educacional;
l) Coletar, atualizar e socializar a legislação de ensino e de administração de pessoal;
m) Garantir a socialização e cumprimento do Projeto Político Pedagógico;
n) Contribuir para a criação, organização e funcionamento das diversas entidades escolares;
o) Promover ações que objetivam a diminuição dos índices de repetência e evasão escolar;
p) Contribuir com a implantação do programa de qualidade na Unidade Escolar.
5.4. ASSISTENTE TECNICO PEDAGÓGICO (planejamento e metas em anexo)
a) Participar de estudos e pesquisas de natureza técnica sobre administração geral e específica, sob orientação;
b) Participar, estudar e propor aperfeiçoamento e adequação da legislação e normas específicas, bem como métodos e técnicas de trabalho;
c) Realizar programação de trabalho, tendo em vista alterações de normas legais, regulamentares ou recursos;
d) Participar na elaboração de programas para o levantamento, implantação e controle das práticas de pessoal;
e) Selecionar, classificar e arquivar documentação;
f) Participar na execução de programas e projetos educacionais;
g) Prestar auxílio no desenvolvimento de atividades relativas à assistência técnica aos segmentos envolvidos diretamente com o processo ensino-aprendizagem;
h) Desenvolver outras atividades afins ao órgão e a sua área de atuação;
i) Participar com a comunidade escolar na construção do projeto político pedagógico;
j) Auxiliar na distribuição dos recursos humanos, físicos e materiais disponíveis na escola;
k) Participar do planejamento curricular;
l) Auxiliar na coleta e organização de informações, dados estatísticos da escola e documentação;
m) Contribuir para a criação, organização e funcionamento das diversas associações escolares;
n) Comprometer-se com atendimento às reais necessidades escolares;
o) Participar dos conselhos de classe, reuniões pedagógicas e grupos de estudo;
p) Contribuir para o cumprimento do calendário escolar;
q) Participar na elaboração, execução e desenvolvimento de projetos especiais;
r) Administrar e organizar os laboratórios existentes na escola;
s) Auxiliar na administração e organização das bibliotecas escolares; e
t) Executar outras atividades de acordo com as necessidades da escola.


5.4. CORPO DOCENTE

O corpo Docente será constituído de professores qualificados e devidamente habilitados na forma da legislação específica aplicável e das normas baixadas pelos órgãos competentes.
O professor será nomeado pelas autoridades competentes, de acordo com as exigências do ensino em vigor e do Estatuto do magistério, podendo ser concursado-efetivo ou contratado temporariamente – ACT.


COMPETE AO CORPO DOCENTE:
a) Ministrar aulas, obedecendo aos horários estabelecidos pela U E, observando as diferenças dos alunos, como: classe social, idade, gênero, dificuldades pessoais, procurando atender a todos dando-lhes as mesmas oportunidades;
b) Manter a disciplina em sala de aula, bem como o zelo pelos materiais, móveis e equipamentos, garantindo aos alunos e colegas um ambiente limpo, arejado e organizado para o desenvolvimento das atividades educacionais.
c) Participar da elaboração, execução e avaliação do Projeto Político Pedagógico da Unidade escolar;
d) Participar do processo de analise e seleção de livros e materiais didáticos em consonância com as diretrizes e critérios estabelecidos pela Secretaria de Estado da Educação.
e) Elaborar os seus planejamentos de acordo com o Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar, entregando na data determinada;
f) Propiciar aquisição do conhecimento científico, erudito e universal para que os alunos reelaborem os conhecimentos adquiridos e elaborem novos conhecimentos, respeitando os valores culturais, artísticos e próprios do contexto social do educando, garantindo-lhe a liberdade de criação e o acesso às fontes de cultura;
g) Promover uma avaliação contínua, diversificada, envolvendo apresentação de trabalhos individuais ou em grupos, provas orais e escritas, apresentações de resumos, textos diversos ou qualquer outra forma de avaliação que o professor julgar adequada, sempre acompanhando e enriquecendo o desenvolvimento do trabalho do aluno.
h) Cumprir os prazos estabelecidos para a entrega das avaliações na secretaria da escola, colaborando com o trabalho administrativo.
i) As avaliações deverão ser atribuídas de acordo com as normas fixadas;
j) Participar de processos coletivos de avaliação do próprio trabalho e da Unidade Escolar, com vistas ao melhor rendimento do processo ensino aprendizagem, replanejando sempre que necessário;
k) Realizar a recuperação contínua e paralela de estudos aos alunos que durante o processo ensino aprendizagem não dominarem o conteúdo curricular ministrado, realizando provas de recuperação bimestrais conforme as normas estabelecidas pela U E, garantindo acesso ao conhecimento;
l) Participar ativamente e avaliar o conselho de classe, tomando as medidas necessárias para a melhoria da qualidade de ensino;
m) Participar da elaboração do calendário escolar e executá-los;
n) Participar de reuniões de estudos, encontros, cursos, seminários, atividades cívicas, culturais, recreativas e outros eventos, tendo em vista o seu constante aperfeiçoamento e melhoria da qualidade de ensino;
o) Comparecer na Unidade Escolar nos Horários estabelecidos cumprindo com as atividades de sua competência;
p) Comunicar com antecedência as faltas que por ventura estiver sujeito, desde que previstas;
q) Manter e fazer com que seja mantida a disciplina em sala de aula e fora dela, em cooperação com os demais segmentos do colégio;
r) Comparecer as reuniões para as quais for convocado independente do seu horário de trabalho, salvo quando estiver impedido por justificativa de trabalho, estudo ou doença;
s) Participar do grupo de sua disciplina discutindo a Proposta Curricular, elaborando o planejamento curricular da disciplina e seus respectivos conteúdos;
t) Manter em ordem a escrituração do Diário de Classe, onde deverá ser registrado com máxima clareza a frequência diária dos alunos, o conteúdo ou atividade desenvolvida em cada aula ministrada e os resultados das avaliações com as respectivas médias;
u) Zelar pelo bom nome da Unidade Escolar;
v) Tratar os alunos com dignidade e respeito;
w) Entregar a escola, quando solicitado, todos os documentos necessários para a investidura e o exercício da profissão;
x) Comentar e desenvolver junto aos alunos, trabalhos, produções, pesquisas e outras atividades realizadas por eles, corrigindo-os, esclarecendo os erros cometidos para que possam construir o conhecimento;
y) Comunicar a direção os nomes dos alunos que não acompanham o curso com o aproveitamento suficiente e os que, por suas atitudes, embaraçam ou impedem o bom andamento dos trabalhos em classe;
z) Manter o espírito de colaboração e solidariedade com os colegas;
aa) Colaborar na organização e execução dos trabalhos complementares de caráter cívico, cultural, recreativo e esportivo.
É VETADO AOS DOCENTES

a) Ausentar-se da Unidade Escolar ou da sala de aula, nos horários de trabalho, sem o conhecimento ou autorização da direção ou responsável, deixando os alunos sozinhos.
b) Fumar ou usar qualquer outro tipo de drogas lícitas ou ilícitas nas dependências da escola e/ou no seu horário de trabalho;
c) Usar palavras de baixo calão no tratamento com alunos, funcionários e comunidade escolar;
d) Usar roupas inadequadas para o exercício da sua profissão: decotes, saias, vestidos ou bermudas muito curtas, primando pela sua boa aparência;
e) Dispensar alunos antes do término das aulas sem o consentimento da direção ou responsáveis;
f) Apropriar-se indevidamente de materiais, equipamentos e bens da escola;
g) Retirar materiais ou livros da escola sem o conhecimento dos responsáveis;
h) Usar o celular dentro da sala de aula ou nos horários em que estiver ministrando aulas;
i) Envolver-se, com alunos da U E ,em situações amorosas, nas dependências da escola.
O não cumprimento ou inobservância de qualquer item constante deste Projeto e das demais normas regimentais tornará o professor passível das penalidades cabíveis, constantes deste documento.
Os professores, além dos direitos que lhes são assegurados pela legislação e o Estatuto do Magistério, terão assegurados por este Projeto Político Pedagógico o seguinte:
· De requisitar material disponível na Unidade Escolar, que julgar necessário às aulas, e outros dentro das possibilidades da Unidade Escolar;
· De utilizar-se do acervo da biblioteca e das dependências e instalações do colégio, necessários ao exercício de suas funções, desde que assumam inteira responsabilidade por sua utilização.








QUADRO DO CORPO DOCENTE

NOME DO PROFESSOR CH DISCIPLINA HABILITAÇÃO SIT.FUNCIONAL
Andréia Teixeira da Rosa Ballmann

20h 3ª Série Magistério e Adicional do Pré-Escolar; Superior em Pedagogia- Séries Iniciais e Esp. Em Fund. Medod. Ed. Inf. E Séries Iniciais. Efetivo
lotado
Cristina C. Campos



Gislene Ribeiro Bento
20h
20h
1ª série 01
1ª série 02
Sup. Em Pedagogia – séries inicias.
Sup. Em Pedagogia – Séries Inicias e Esp. Fund. Metod. Ed. Inf. e Séries Iniciais.
ACT
ACT
Maria Lucia Antônio Soares



Dulcinéia de Campos
40h
20h
2ª Série 01
2ª Série 02
Projeto AMBIAL
Superior em Pedagogia – Séries Iniciais e Esp. Fund. Metod. Ed. Inf. e Série Iniciais.
Superior em Pedagogia – Séries Iniciais e Esp. Fund. Metod. Ed. Inf. e Séries Iniciais
Efetivo Lotado
Marciana Idalino Vieira 40h 3ª série 01
3ª série 02
Sup. Pedagogia Séries Iniciais. Esp. em fund. Metodológicos ed. Inf. E ensino Fundamental Efetivo
lotado
Maria Salete Fraga 40h 4ª série 01
4ª série 02
Sup .em Pedagogia e Esp. em Metodologia de Ensino Efetivo
lotado
Jean Carlos Nunes 20h Artes Sup. em Artes/Música
Esp. em artes
Efetivo
lotado
Ana Lúcia da Rosa 40h Artes Superior em Artes Cênicas. Esp. em Artes (Cursando) Comp. N. aulas
Paulo Ricardo de Jesus Gaspar 40h Educação Física Ens. Superior em Ed. Física. Esp. Ed. Infantil.
Mestrado em Educação.
Efetivo
lotado
Rosa Maria da Rosa 10h Educação Física Superior em Ed. Física e Esp. Em Ed. Física Escolar Efetivo
Lotado
Carmem Lúcia Jorge Fraga 40h História/Geografia Superior em História e Esp. Em Metodologia de Ensino Efetivo
Lotado
Adelícia Lopes Crispim de Souza 40h História/Geografia Superior em História e Esp. Em Metodologia de Ensino Efetivo
Lotado
Kátia da Silva 30h História/Geografia/ Estudos Regionais/Ensino Religioso Sup. Em Geografia e Esp. em Metodologia de Ensino Efetivo
Atrib. De Exerc.
Terezinha Fraga Vieira 40h Matemática/Ciências/Biologia Superior em Matem. Ciências e Biologia e Esp. Metodologia de Ensino Efetivo
Lotado
Fabiana de Jesus 20h Português/Inglês Ens. Superior em Letras Português/Inglês. Esp. em Metodologia de ensino Efetivo
Lotado
Elonise Aparecida da Rocha Pittigliani 40h Português/Inglês Ens. Superior em Letras Português/Inglês. Esp. em Metodologia de ensino Efetivo
Lotado
Dalmira Anselmo da Silva 40h Português Ens. Superior em Letras Português/Italiano Efetivo
Atrib. de Exerc.
Andreia Martins 10
20h
Inglês Superior Letras/Inglês
Esp .em metodologia da Educação.
Efetivo
Complem. CH
Valter Possenti 20h Matemática Superior em Matemática Efetivo
Atrib.de exerc.
Sônia Maria Bonifácio Pacheco 20h Matemática Superior em Pedagogia-Séries Iniciais
Superior em Matemática/Ciências
Esp. Em Didática Geral
Efetivo
Lotado
Sandra Mara Souza dos Santos 40 Matemática Sup. Em Matemática/Ciências
Esp. Metodologia de Ensino.
Efetivo
Comp. N.aula
Geraldo da Silva 40h Física/Química/Matemática Sup. Licenciatura em Química Efetivo
Marcelo Francisco Basso

10h Filosofia e Sociologia e História Sup. Em Licenciatura Plena em Ciências da Educação. Esp. em Filosofia da Educação
( cursando)
Efetivo
Lotado
Carla da Conceição Silva 10h Ciências e Biologia Superior - Licenciatura Plena em Ciências ACT
Ana Lucia Silva Marques 10h Educação Física Superior - Licenciatura
Plena em Educação Física
ACT
Cássia Regina Pires 20h Educação Física Superior – Licenciatura Plena em Educação Física ACT
Maria Goreti Pires Fermino
40h Séries Iniciais Sup. Em Pedagogia – Séries Iniciais. Esp. Fund. Med. ed. Inf. E Ens. Fundamental Efetivo
Lotado
Readap.
Carmem Regina Evaristo Nunes 40h Séries Iniciais Magistério- Ensino Médio Efetivo
AE – Readap.
5.5. OS SERVIÇOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS
O serviço Técnico Administrativo é o setor de suporte ao funcionamento de todos os setores da Unidade Escolar, em consonância com o Projeto Político Pedagógico, proporcionando condições para que os membros cumpram suas reais funções.
O serviço Técnico Administrativo, é composto pela Assistente de Educação, pelos Analistas Técnico em Gestões Educacionais e pelos Serviços Gerais.


5.6.1- ASSISTENTE DE EDUCAÇÃO – Descrição Sumária: Executar serviços de organização de arquivo, preservação de documentos, coletânea de leis e escrituração de documentos escolares, registrar e manter atualizados os assentamentos funcionais dos servidores, organizar e preparar a documentação necessária para o encaminhamento de processos diversos.
1- Coordenar e executar as tarefas da secretaria escolar;
2- Organizar e manter em dia o protocolo, o arquivo escolar e o registro de assentamentos dos alunos, de forma a permitir, em qualquer época, a verificação da identidade e regularidade da vida escolar do aluno e a autenticidade dos documentos escolares;
3- Redigir e expedir toda a correspondência oficial da Unidade Escolar;
4- Organizar e manter em dia a coletânea de leis, regulamentos, diretrizes, ordens de serviço, circulares, resoluções e demais documentos;
5- Auxiliar na elaboração de relatórios;
6- Rever todo o expediente a ser submetido a despacho do Diretor;
7- Apresentar ao Diretor, em tempo hábil, todos os documentos que devem ser assinados;
8- Coordenar e supervisionar as atividades referentes à matrícula, transferência, adaptação e conclusão de curso;
9- Assinar juntamente com o Diretor, os documentos escolares que forem expedidos, inclusive os diplomas e certificados;
10- Preparar e secretariar reuniões, quando convocado pela direção;
11- Zelar pelo uso adequado e conservação dos bens materiais distribuídos à secretaria;
12- Comunicar à direção toda irregularidade que venha a ocorrer na secretaria;
13- Organizar e preparar a documentação necessária para o encaminhamento de processos diversos;
14- Conhecer a estrutura, compreender e viabilizar o funcionamento das instâncias colegiadas na Unidade Escolar;
15- Registrar e manter atualizados os assentamentos funcionais dos servidores; e
16- Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
5.6.2. ANALISTA TÉCNICO EM GESTÃO EDUCACIONAL

Compete ao Analista Técnico em Gestão Educacional:
a) Planejar, organizar, executar e controlar atividades específicas de sua área de habilitação;
b) Planejar, organizar, executar e controlar atividades específicas de sua área de habilitação, relacionadas ao atendimento dos programas de apoio ao corpo funcional da Secretaria de Estado da Educação.
c) Receber e montar os processos administrativos;
d) Coordenar e executar trabalhos relacionados com a organização e atualização de arquivos;
e) Redigir atos administrativos, compatíveis com sua área de atuação;
f) Auxiliar na aquisição e suprimento de material permanente e de consumo, divulgação de editais e outras atividades correlatas;
g) Controlar e executar o cadastramento de bens móveis e imóveis;
h) Auxiliar na definição dos objetivos e no planejamento do órgão;
i) Auxiliar e propor o aperfeiçoamento e adequação da legislação e normas específicas, bem como método e técnicas de trabalho;
j) Conduzir veículos para transporte de passageiros e/ou cargas, desde que possua Carteira Nacional de Habilitação na categoria “D”, observada a legislação de trânsito vigente, efetuando pequenos reparos de emergência no veículo sob sua responsabilidade e elaborando relatórios sobre a quilometragem realizada, consumo de combustível e outras ocorrências;
k) Executar trabalhos referentes à análise e controle de serviços contábeis, em consonância com sua habilitação;
l) Executar trabalhos relativos a balancetes, análise e controle estatístico;
m) Executar serviços de cadastro, manutenção e organização de arquivos, bancos de dados e outros;
n) Executar serviços de análise e encaminhamento de processos, pesquisas legislativas e jurisprudências;
o) Executar atividades relativas à administração de recursos humanos;
p) Expedir registros e documentos em geral;
q) Secretariar autoridades;
r) Redigir expedientes relacionados as suas atribuições;
s) Participar de projetos de pesquisa, levantamento de dados e diagnósticos;
t) Fornecer dados estatísticos e elaborar relatórios;
u) Prestar informações e pareceres sobre assuntos de sua área de competência;
v) Prestar esclarecimentos sobre rotinas e procedimentos administrativos;
w) Realizar trabalho de natureza técnica e administrativa pertinente a sua formação;
x) Executar outras atribuições compatíveis com o cargo e com sua habilitação profissional.
QUADRO DA EQUIPE TÉCNICA ADMINISTRATIVA
NOME DO FUNCIONÁRIO CH FUNÇÃO HABILITAÇÃO SITUAÇÃO FUNCIONAL
Elis Rosália Pires 40h Diretora Geral Ens. Superior em Matemática/Ciências
Esp. em Metodologia de Ensino.
Efetivo
lotado
Sílvia Alves de Oliveira 40h Assessora de Direção Ens. Superior em História. Esp. em Medodol. de História. Efetivo
lotado
Maria Martins dos Passos Souza 20h Orientadora Educacional Ens. Superior em Pedagogia/Orientação Escolar. Esp. em Efetivo
lotado
Magdalena Pereira Oliveira 40h Assistente de Educação Ens. Superior em Educação Artística. Esp. em Interdisciplinaridade Efetivo
Lotado
José Albino Garcia 40h Administrador Escolar Ens. Superior em Pedagogia/Administração Efetivo
Lotado
Cristina da Silva Pereira Campos 40h Assistente Técnico Pedagógico Ens. Superior em Pedagogia-Séries Iniciais. Esp. Em Fundam. Metod. da Ed. Infantil e Ens. Fundam. Efetivo
Lotado
Lílian Fabiana de Brum 40h Assistente Técnico Pedagógico Ens. Superior em Matemática/Ciências
Esp. em Metodologia de Ensino
Efetivo
Lotado
Lelio Davzon Albino 40h Analista Técnico em Gestão Educacional Ens. Superior em Educação Física. Efetivo
Lotado
Rosinei Cardoso Marques
40h Analista Técnico em Gestão Educacional Ensino Médio Técnico em Mecânica.
Sup. Em Logística (Cursando)
Efetivo
Lotado
Edna Fraga Teixeira 40h Assistente Técnico Pedagogico Ens. Superior Pedagogia/Especialização em Metodologia do Ensino Superior Efetivo
lotado

5.7. SERVIÇOS GERAIS – Os serviços gerais têm ao seu encargo a manutenção, preservação, segurança e merenda da Unidade Escolar, sendo ordenados e supervisionados pela direção.
O corpo de pessoal para os serviços gerais será formado por:
· Serventes;
· Merendeiras;
· Outros previstos em ato específico pela Secretaria de Estado da Educação.


5.7.1. ATRIBUIÇÕES DO SERVENTE:
a) Efetuar a limpeza e manter em ordem as instalações escolares e pátio da escola;
b) Providenciar a relação do material e produtos necessários para a efetivação de seu serviço;
c) Zelar pelos móveis, equipamentos e utensílios, usados no desempenho do seu trabalho, responsabilizando-se por sua limpeza e mantendo-os em lugar seguro;
d) Garantir o controle dos equipamentos e utensílios usados no desempenho do seu trabalho;
e) Usar vestimentas apropriadas, bem como botas e luvas, quando se fizer necessário;
f) Apresentar-se com roupas limpas, primando pela boa aparência;
g) Ser pontual, cumprindo assiduamente os horários de trabalho estabelecidos;
h) Avisar a direção ou responsável quando precisar se ausentar ou de faltas previstas;
i) Tratar com respeito todos os que fazem parte da comunidade escolar;
j) Usar ética e sigilo profissional;
k) Efetuar outras tarefas de acordo com a sua função.
5.7.2. ATRIBUIÇÕES DA MERENDEIRA:


a) Preparar e servir a merenda escolar controlando quantitativa e qualitativamente;
b) Informar ao diretor da Unidade Escolar da necessidade de reposição do estoque em tempo hábil;
c) Conservar o local de preparação da merenda em boas condições de trabalho, precedendo a limpeza e a arrumação;
d) Usar vestimentas adequadas, como:avental, luvas e lenço, no ato do preparo da merenda, evitando contaminações;
e) Zelar pelos móveis, utensílios e equipamentos, usados no preparo dos alimentos, mantendo-os sempre limpos e guardados em lugar seguro e apropriado;
f) Garantir o controle dos utensílios e equipamentos do patrimônio escolar, usados no desempenho do seu trabalho;
g) Ser pontual, cumprindo assiduamente os horários de trabalho estabelecidos;
h) Avisar a direção ou responsável quando precisar se ausentar ou de faltas previstas;
i) Tratar com respeito todos os que fazem parte da comunidade escolar;
j) Servir os alunos com respeito e dedicação;
k) Usar ética e sigilo profissional;
l) Efetuar outras tarefas de acordo com a sua função.
É VETADO AOS SERVENTES E MERENDEIRAS
a) Usar bebidas alcoólicas, cigarro ou qualquer outro tipo de droga nas dependências da escola ou no seu horário de trabalho;
b) Ausentar-se da Unidade Escolar no seu horário de trabalho sem o consentimento da direção ou responsável;
c) Apossar-se de quaisquer utensílios ou equipamentos que faz parte do patrimônio escolar;
d) Retirar do estabelecimento de ensino quaisquer utensílios, equipamentos ou item destinado à Escola sem o conhecimento ou autorização do responsável;
e) Usar palavras de baixo calão no tratamento com alunos funcionários ou comunidade escolar.
f) Envolver-se em atos agressivos de maneira física ou verbal.
QUADRO DE FUNCIONÁRIOS

NOME DO FUNCIONÁRIO FUNÇÃO ESCOLARIDADE
Elita Zenóbia da Rosa Merendeira Ensino Fund. Séries iniciais
Ivonete Soares Servente Ensino fundamental incompleto
Eva Vieira de Souza Servente Ens. Fund. Incompleto
Marlene Demétrio Servente Ens. Fund. Incompleto
Roberto dos Passos David Servente Ens. Fund. Incompleto
Rosalba da Silva Ribeiro Merendeira Ensino Fundamental
Sandra Maria Geraldo Silvino Servente Ensino Fundamental
6. CORPO DISCENTE

O Corpo Discente é constituído por todos os alunos regularmente matriculados nos cursos em funcionamento na Unidade Escolar.
DIREITOS DOS ALUNOS
Constituirão Direitos dos Alunos:
b) Tomar conhecimento no ato da matricula, das disposições do PPP (Projeto Político Pedagógico) e funcionamento da Unidade Escolar;
c) Receber informações sobre os diversos serviços oferecidos pela Unidade Escolar;
d) Participar de agremiações estudantis;
e) Fazer uso dos serviços e dependências escolares de acordo com as normas estabelecidas neste projeto pedagógico;
f) Tomar conhecimento das avaliações previstas pelo professor, com antecedência;
g) Conhecer os critérios de avaliações utilizados pelo professor para a correção de trabalhos;
h) Tomar conhecimento, do seu rendimento escolar e de sua frequência, através do boletim ou agenda escolar;
i) Solicitar revisão de provas, dentro de 48 (quarenta e oito) horas, a partir da divulgação das notas;
j) Requerer transferência ou cancelamento de matrícula por si, quando maior de idade, ou através do pai ou responsável, quando menor;
k) Apresentar sugestões relativas aos conteúdos programáticos desenvolvidos pelo professor, com o objetivo de aprimorar o processo ensino aprendizagem;
l) Reivindicar o cumprimento da carga horária prevista na grade curricular;
m) Freqüentar assiduamente as aulas e demais atividades escolares;
n) Discutir com a direção os problemas, as dificuldades pessoais e os relacionados ao processo ensino aprendizagem, propondo soluções;
o) Participar do conselho de classe os alunos previamente convocados, apresentando as avaliações realizadas em sala de aula com a Assistente Técnico Pedagógico;
p) Receber recuperação de estudos quando necessário em sala de aula;
q) Fazer prova de recuperação bimestral conforme o estabelecido pela U E.
r) Receber matrícula por dependência ou dispensa de disciplina, conforme estabelecido neste Projeto Político Pedagógico;


NOS CASOS ABAIXO RELACIONADOS:
· Chegar após o horário para assistir aulas, salvo motivo justo apresentado à direção ou a secretaria, avaliado e considerado por estas;
· Retirar-se cedo da Unidade Escolar, sem autorização previamente concedida;
· Comparecer na Unidade Escolar fora do horário de aula, salvo quando for: pesquisar, pedido de documento e trabalho extra- curricular;
· Portar qualquer tipo de arma, objeto cortantes ou similares;
· Trazer à Unidade Escolar qualquer tipo de livro ou revista, objetos que contrariem a boa moral ou prejudiquem o andamento dos trabalhos escolares;
· Agressão contra colegas e profissionais do ambiente escolar.
O aluno será advertido verbal ou por escrito, sendo solicitada a presença dos pais ou responsáveis na Unidade Escolar.
Obs.: Após esgotadas as tentativas ,caso o aluno seja menor de12 anos, deverá ser encaminhado para o Conselho Tutelar e, ou Promotoria Pública.
DOS DEVERES DOS ALUNOS
Constituirão deveres dos alunos:
a) Cumprir as disposições deste Projeto Político Pedagógico no que lhe couber;
b) Atender as determinações dos diversos setores da Unidade Escolar;
c) Comparecer pontualmente as aulas e demais atividades escolares;
d) Participar das atividades programadas e desenvolvidas pela Unidade Escolar;
e) Cooperar na manutenção da higiene e na conservação das instalações escolares;
f) Manter e promover relações cooperativas com os professores, colegas e comunidade;
g) Indenizar o prejuízo, quando produzir dano material à Unidade Escolar e a objetos de propriedade, de colegas e funcionários;
h) Justificar a direção e ao professor, mediante atestado médico ou declaração dos pais ou responsáveis, a ausência a provas e entrega de trabalho em datas previstas (sem exceções);
i) Usar uniforme escolar quando a Unidade Escolar assim definir, em conformidade com a legislação vigente. O aluno que vier sem uniforme usará o emprestado da escola, ou deverá ir em casa colocá-lo;
j) Apresentar-se sempre limpo e asseado;
k) Tratar com respeito Direção, Professores, Especialistas, Funcionários e Colegas;
l) Possuir todo material didático individual necessário, apresentando-o quando, exigido;
m) Devolver todo e qualquer material que lhe for cedido por empréstimo pela Unidade Escolar, no tempo pré-estabelecido;
n) Comparecer as solenidades e festas cívicas e sociais promovidas pela Unidade Escolar;
o) Contribuir para elevação moral do nome da Unidade Escolar e promover seu prestígio em qualquer lugar onde estiver;
p) Apresentar-se à direção ou a secretaria, sempre que chegar à Unidade Escolar depois do inicio das aulas ou quando pretender sair antes do término das mesmas, munidos de justificativas por escrito dos pais ou responsáveis;
q) Permanecer em sala de aula nos intervalos de cada aula;
Pela inobservância de seus deveres e conforme a gravidade ou reiteração das faltas ou infrações os alunos serão advertidos verbalmente ou por escrito, comunicados aos pais ou responsáveis, encaminhados ao Conselho Tutelar ou autoridades competentes de acordo com o Estatuto da Criança e do adolescente, quando houver:
a) Falta de espírito de cooperação e solidariedade com colegas;
b) Indisciplina ou insubordinação;
c) Faltar com a verdade ou má fé no exercício das funções;
d) Referir-se de modo depreciativo, por escrito e publicamente as autoridades da Escola;
e) Alteração em documentos da Escola e falsificação de assinaturas;
f) Rebelar-se quanto as normas administrativas induzindo e participação dos demais;
g) Apresentar-se em estado de embriagues ou sobre efeito tóxicos;
h) Apresentar comportamento inadequado com a moral e bons costumes;
i) Agredir fisicamente ao professor, funcionários e a membros da Equipe técnico Administrativo e pedagógico.


É VETADO AO ALUNO

a) Ausentar-se da Unidade Escolar nos horários de aula, sem o consentimento da direção ou permissão dos pais apresentada por escrito;
b) Apresentar-se sem uniforme ou usando roupas inadequadas, decotadas ou curtas, ou ainda sem camisa;
c) Receber originais ou cópias de provas finais;
d) Fazer uso nas dependências da Escola de qualquer tipo de drogas: cigarro, bebida alcoólica entre outros.
e) Atender celular durante o período em que estiver em sala de aula;
f) Usar as dependências da escola, fora do seu horário de estudo, salvo para realizações de trabalhos e pesquisas escolares;
g) Proferir palavras de baixo calão no tratamento com colegas, professores, direção e comunidade escolar, bem como, envolver-se em agressões físicas ou verbais nas dependências da escola;
7. REUNIÕES PEDAGÓGICAS: (ver no calendário escolar em anexo)



As reuniões pedagógicas têm por objetivo reunir professores para reflexão, revisão do resultado das atividades realizadas, estudos de textos ou documentos, comunicações legais e de ordem prática da escola.
As reuniões pedagógicas deverão ser realizadas bimestralmente ou sempre que se julgar necessário, sendo obrigatória a presença de todos os professores.
8. PROCESSO DE CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS:

Os professores, bem como o corpo técnico‑pedagógico, serão capacitados através de cursos oferecidos pela SED/GERED ou realizados pela própria instituição, ou por outras Unidades Escolares; ficando a critério das datas previamente estabelecidas.
Grupos de estudos poderão ser realizados na U.E., trazendo pessoas capacitadas para desenvolver este tipo de trabalho, ou textos anteriormente solicitados, para estudo do mesmo.


9. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL:
Entendemos que para obtermos êxito no processo ensino aprendizagem, há necessidade da participação e compromisso de todos os envolvidos em cada setor da escola. Devemos avaliar e reavaliar constantemente a nossa prática objetivando aprimorar o nosso trabalho.
10. INSTÂNCIAS DEMOCRÁTICAS ESCOLARES
10.1 CONSELHO DE CLASSE:


O conselho de classe é uma instância escolar a serviço dos objetivos educacionais da escola. Tem por finalidade:
I - fornecer pareceres sobre o aluno, sua personalidade, suas tendências e inclinações e a evolução de seu processo educativo;
II - opinar sobre as mudanças de comportamento dos alunos, oferecendo subsídios para o melhor ajustamento dos mesmos às turmas e ao estabelecimento;
III - decidir sobre aprovação, reprovação, recuperação, anulação ou repetição de testes;
IV - opinar sobre adequação, aplicação de programas, homologando decisões sobre os resultados finais de aproveitamento;
V - discutir e examinar quaisquer assuntos de interesse dos alunos ou dos professores no que tange à verificação da aprendizagem;
VI - conscientizar e orientar o professor, na avaliação permanente, de forma que fiquem registradas observações constantes dos fatos acontecidos com o aluno;
VII - conscientizar o professor da importância da constante auto‑avaliação das atividades docentes, possibilitando o replanejamento dinâmico, tornando assim mais eficiente o processo ensino‑aprendizagem;
O Conselho será participativo, ou seja, constituído por direção, assistente de educação, assistente técnico pedagógico, professores e alunos. Será dirigido pela direção ou equipe pedagógica, os quais poderão convocar um professor conselheiro da turma para dirigi‑lo.
O Conselho de classe é a última instância de decisão da Unidade Escolar.
10.2. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES – APP
A Associação de Pais e Professores – APP é composta por pais ou responsáveis por alunos, professores e pessoas da comunidade com a finalidade de promover a integração escola-comunidade, tendo também como função o recebimento de repasses financeiros destinados a Unidade Escolar.
A Diretoria da APP é eleita por Eleição Direta ou por Aclamação em Assembléia Geral, para um período de 02(dois) anos.
A atual Diretoria (2008-2010) está assim composta:
PRESIDENTE: Cesar Nilton Rocha
VICE-PRESIDENTE: Rosinei Cardoso Marques
1º SECRETÁRIO: Magdalena Pereira Oliveira
2º SECRETÁRIO: Raquel Terezinha Duarte Inácio
1º TESOUREIRO: Romeu Inácio
2º TESOUREIRO: Débora Pires Custódio
CONSELHO FISCAL: Elis Rosália Pires
Marciana Idalino Vieira
PedroConstância SUPLENTE DO CONSELHO FISCAL: Paulo Ricardo de Jesus Gaspar e Rodinéia Paulino
10.3. CONSELHO DELIBERATIVO
O Conselho Deliberativo Escolar, tem como característica ser um órgão de caráter consultivo, normativo, deliberativo e avaliativo, atuando em assuntos referentes a gestão pedagógica, administrativa e financeira da Unidade Escolar.
Em suas ações de natureza avaliativa, deliberativa, que se norteará pelos princípios constitucionais, normas legais vigentes, políticas educacionais e diretrizes emanadas dos órgãos do Sistema conforme Lei complementar nº 170 de 07/08/98, em seus artigos 19 e 20, Decreto Lei nº 3429 – artigo 3º de 08/12/98 e Resolução 008/1999.
A Eleição do Conselho Deliberativo aconteceu no dia 29/06/2007 e a posse no dia 29/06/2007, ficando assim constituído:
PRESIDENTE: ERALDO BITTENCOURT MOTA (PAI DE ALUNO)
CONSELHEIROS:
ILDA BORBA (mãe de aluno)
RITA DE CÁSSIA SANTOS ALVES (mãe de aluno)
ROSA MARIA DFA ROSA (professora)
KÁTIA DA SILVA (professora)
EDNA FRAGA TEIXEIRA (A.T.P.)
MARLENE CARVALHO DEMÉTRIO (funcionária)
SANDRA MARIA GERALDO (funcionária)
VINICIUS DE SOUZA (aluno)
FRANCINE PIRES FREY (aluna)
MARIA CAROLINE GABRIEL (aluna)


11- UNIFORME
A adoção do uniforme em nossa Unidade Escolar foi uma decisão conjunta entre pais, alunos e professores em Assembléia Geral, com aprovação do Conselho Deliberativo Escolar e Associação de Pais e Professores – A.P.P., com o objetivo de identificar e também evitar a discriminação social.
O uniforme adotado se constitui da seguinte forma:
Blusa ou camiseta branca e saia ou agasalho azul marinho.
Gradativamente vem sendo substituído o uniforme existente pelo modelo adotado pelo governo estadual.

12. DIMENSÃO FINANCEIRA:
A E.E.B. Engº Álvaro Catão tem como entidade mantenedora o governo do Estado de Santa Catarina/Secretaria do Estado da Educação, vinculada a 19ª GERED.
Nossa Unidade Escolar é contemplada com verbas vindas do governo federal e estadual. Anualmente recebemos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação- FNDE- através do programa “Dinheiro Direto na Escola”-PDDE, recursos financeiros de depósito em conta bancária da unidade executora –APP.
No ano letivo de 2008 nos foram repassados valores de R$5.530,50 (cinco mil, quinhentos e trinta reais e cinqüenta centavos) que foram aplicados em melhoria da infraestrutura física e pedagógica e pretendemos destinar os recursos deste ano para os mesmos fins.
Recebemos também, verbas em quatro parcelas anuais do Programa de Merenda escolar através do PRODENE Convencional e Ambial nos valores de R$ 2.000,00 (dois mil reais) e R$ 800,00 (oitocentos reais) respectivamente.
Oferecemos diariamente duas merendas; para os alunos do ensino fundamental nos turnos matutino e vespertino e almoço para os alunos do projeto Ambial, objetivando suprir parcialmente as necessidades nutricionais dos alunos.





13. DIMENSÃO FÍSICA:

13.1. ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA
O prédio escolar apresenta dependências insuficientes para o desenvolvimento do processo ensino aprendizagem.
Possui 13 salas de aula, 01 biblioteca, 01 sala de vídeo com vídeo/TV e retro projetor. A sala de informática, onde foram instalados 11 microcomputadores, 02 impressoras e 01 scanner. A sala de vídeo/TV, está desativada pois o Projeto AMBIAL está utilizando com sala de aula.
A sala destinada ao laboratório de ciências físicas e biológicas, serve atualmente de cozinha para o Projeto, pois, o antigo laboratório há muito não era usado, encontrando-se em péssimo estado de conservação. A Unidade Escolar recebeu no ano de 2008 um novo laboratório (LABOR).
Possui ainda, 01 sala para os professores, sala do diretor, secretaria, 01 sala de especialista, 01 sala pequena que serve para guardar os materiais de educação física, 01 sala que serve de depósito para merenda escolar, 02 sanitários destinados aos professores e funcionários e 02 sanitários destinados aos alunos, necessitando melhoramentos urgentes.
Para a prática de esportes e lazer a escola possui 01 quadra de esportes, que é usada também pela comunidade. Porém, não atende as necessidades dos alunos no período noturno e tampouco nos dias de chuva. A quadra não é coberta e os refletores encontram-se queimados.
Os mobiliários e equipamentos da escola encontram-se em bom estado de funcionamento, alguns, porém, necessitando de melhorias.
Possui uma pequena horta, onde são cultivadas algumas verduras e temperos usados na merenda escolar e na alimentação dos alunos do projeto Ambial, onde os próprios alunos encarregam-se da sua manutenção.
A vigilância acontece de maneira eletrônica pela empresa Triângulo.
O terreno é amplo, possuindo 6.800m², tendo 1.366m² de área construída, porém a escola necessita de reformas urgentes.
14. PROPRIEDADES, OBJETIVOS E METAS
A Escola de Educação Básica Engº Álvaro Catão, terá como Prioridades, Objetivos e Metas para o Ano Letivo de 2009, oportunizar entendimento de valores como princípio de vida, norteando nossa prática humanística a partir da pedagogia crítica, educando para a cultura na solidariedade em uma perspectiva Cristã.
Assim sendo, teremos como Prioridades, Objetivos e Metas o seguinte:
a) Reuniões pedagógicas bimestrais, com o intuito de oportunizar a troca de experiência entre os profissionais;
b) Proporcionar aos professores cursos de capacitação;
c) Acompanhar o nível de frequência dos alunos, de maneira global. Ao tomar conhecimentos de evasões, adotar medidas visando o resgate de alunos evadidos, bem como, conforme o caso encaminhar ao Programa APOIA.
d) Colaboração e/ou promoção de programas de assistência aos alunos, com o objetivo de garantir acesso e permanência do aluno na escola;
e) Organizar eventos que beneficiem a escola, discutir problemas e buscar soluções a respeito de professores e alunos, organizar palestras e estudos sobre temas atuais;
f) Promover pesquisa de campo com alunos e professores;
g) adequar as instalações do prédio para o bom desempenho das atividades pedagógicas tais como:
· refeitório;
· quadra de esporte coberta;
· acervo para biblioteca;
· secretaria.
Temas interdisciplinares que serão abordados em palestras em classe:
· higiene pessoal;
· dengue;
· DST e métodos contraceptivos
· prevenção às drogas;
· prevenção a AIDS;
· gravidez na adolescência;
· prevenção de doenças bucais;
· educação ambiental;
· projeto baleia franca.
h) Promover a 8ª Gincana Solidária, que visa melhorias na escola, beneficiando alunos e comunidade;
i) Comemoração do Dia do Estudante;
j) Homenagem ao Dia das Mães e dos Pais;
k) Festa junina para os alunos;
l) Encaminhamentos de alunos para atendimento Oftalmológico, Odontológico e Psicológico;
m) Conscientização para dar destino adequado ao lixo e trabalhar com a sua reciclagem;
n) Participar de eventos promovidos pela secretaria de educação do estado e município, associações e entidades organizadas;
o) Desenvolver atividades em comemorações as datas cívicas, comemorativas e históricas, trabalhando a interdisciplinaridade;
p) Promover atividades de integração da escola, família e comunidade;
q) Desenvolver o projeto PROCEL na escola, objetivando a consciência do uso racional da energia elétrica, evitando impactos ambientais;
r) Desenvolver atividades interdisciplinares da educação infantil e ensino fundamental, envolvendo a educação fiscal como meio de consciência e cidadania.
s) Realizar semanalmente a homenagem à bandeira;
t) Realizar com os alunos do Ambial a manutenção da horta, incorporando à merenda produtos orgânicos por ele cultivados;
u) Organizar com os alunos do Projeto Ambial uma horta medicinal, bem como, realizar pesquisa sobre os benefícios das plantas para a saúde.
15. DISPOSIÇÕES GERAIS

Incorporar-se-ão a este Projeto Político Pedagógico, automaticamente as disposições de lei e instruções ou normas de ensino emanadas de órgãos competentes, alterando as disposições que com elas conflitarem.
Os casos omissos serão resolvidos pela Direção à luz da Legislação aplicável.
O presente Projeto Político Pedagógico entrará em vigor após homologação do órgão competente.
Imbituba, 15 de junho de 2009.



16. TERMO DE APROVAÇÃO



O Presidente da APP, o Presidente do Conselho Deliberativo, o Presidente do Grêmio Estudantil, as Diretoras, os Professores e demais funcionários da Escola de Educação Básica Engenheiro Álvaro Catão, aprovam o Projeto Político Pedagógico desta Unidade Escolar, para o exercício do Ano Letivo de 2009.
Imbituba, 15 junho de 2009.
Presidente da APP: Cesar Nilton Rocha
Presidente do Conselheiro Deliberativo: Eraldo Bittencourt Mota
Presidente do Grêmio Estudantil: Stefane Abreu Schmuller
Diretora de Escola: Elis Rosália Pires
Assessora de Direção: Sílvia Alves de Oliveira de Souza
Representante dos Professores: Edna Fraga Teixeira
Representante dos Funcionários: Rosinei Cardoso Marques
17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

· Proposta Curricular de Santa Catarina –1998
· Saviani, Demerval (1) – 2º Caderno de Capacitação para Gestores Escolares – SED
· Diretrizes, Organização da Prática Escolar na Educação Básica : Ensino Médio e Fundamental - SED/DIEM – 2000
· Lei Complementar nº 9.394/96
· Parâmetros Curriculares Nacionais.
18. ANEXOS:
· HINO DA ESCOLA
· CALENDARIO ESCOLAR
· HORÁRIO DOS PROFESSORES
· HORA ATIVIDADE
· HORÁRIO DA EQUIPE ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA
· HORÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DE SERVIÇOS GERAIS
· PLANO DE AÇÃO (ATP)
· CRONOGRAMA DE HOMENAGENS À BANDEIRA
· FICHA DE AVALIAÇÃO BIMESTRAL
· FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR
· FICHA DE AVALIAÇÃO DA TURMA




HINO DA ESCOLA ÁLVARO CATÃO
Música e letra: Marli Garcia Tom:D
Na beira do mar nasci Fui pingo de gente Cresci Hoje canto esta canção A minha escola Alvaro Catão. Na minha escola aprendi, abrir caminhos e seguir Enquanto não vem a vitória, a gente refaz a história No antigo bairro da praia, esta ecola nasceu Na vila de pescadores, abençoada por Deus. Na beira do mar nasci Fui pingo de gente Cresci Hoje canto esta canção A minha escola Alvaro Catão Novos tempos chegaram, anos setenta aconteceu Minha escola pequenina, um dia subiu a colina De Escola Isolada, formou o bairro Vila nova Alvorada Hoje é base na Educação, a Escola Alvaro Catão. Bm/DIBmID Na beira do mar nasci Fui pingo de gente Cresci Hoje canto esta canção A minha escola Alvaro Catão. Bm/D/BmíEm/ND
Equipe: Ação e Educação
.
ASSISTENTE TÉCNICO PEDAGÓGICO
PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2009
CRONOGRAMA OBJETIVOS ATIVIDADES PROGRAMADAS
1º BIMESTRE
FEVEREIRO
Ø Preparar a Escola para o início do ano letivo Ø Participar junto aos professores da elaboração do Plano de Curso e PPP;
Ø Participar junto aos professores dos cursos de capacitação ou reuniões que venham contribuir com o processo ensino aprendizagem;
Ø Participar das reuniões de pais e professores, juntamente com a direção da Escola;
Ø Organizar murais de boas vindas, incentivo, recados e aniversariantes, nas dependências da escola, sempre que necessário;
Ø Providenciar os processos de professor II para os alunos incluídos.
MARÇO E
ABRIL
Ø Contribuir para o bom andamento das atividades durante todo o ano letivo que se inicia. Ø Providenciar o controle da chamada geral;
Ø Organizar o cronograma de homenagem à bandeira a ser realizada semanalmente;
Ø Organizar e participar das reuniões de regentes, líderes de turma e grêmio estudantil;
Ø Planejar semanalmente, junto às professoras, as atividades desenvolvidas pelo Projeto AMBIAL;
Ø Participar das reuniões de pais que será realizada com todas as turmas da Unidade Escolar;
Ø Recolher, avaliar e encaminhar à direção da escola os planos de curso entregues pelos professores;
Ø Planejar junto aos professores projetos a serem desenvolvidos neste bimestre: (leitura e dengue);
Ø Reorganizar horários e assessor os professores nas suas atividades;
2º BIMESTRE
MAIO
JUNHO E
JULHO
Ø Disponibilizar horários e organizar dias de estudo e de planejamento para todos os professores: séries iniciais, finais e ensino médio, conforme disciplinas afins. Ø Participar do Conselho de Classe;
Ø Fazer relatórios de alunos com problemas disciplinares e de aprendizagem para ser enviado a outros órgãos ou profissionais especializados (Conselho Tutelar, Programa Sentinela, Psicólogos, psicopedagogos...) sempre que necessário;
Ø Organizar e participar junto aos professores e direção das homenagens ao dia das mães;
Ø Participar da reunião pedagógica;
Ø Organizar e participar do dia de estudo (planejamento) para os professores;
Ø Organizar e participar da festa junina escolar;
Ø Realizar junto às lideranças de classe as avaliações dos professores e funcionários da escola e autoavaliação da turma;
Ø Participar e redigir as atas do Conselho de Classe a cada bimestre;
Ø Receber, avaliar e encaminhar à direção os diários de classe dos professores todos os bimestres;
Ø Agendar e participar com os professores responsáveis das saídas de campo;
Ø Organizar para a comunidade escolar uma exposição das atividades realizadas durante o 1º semestre.
3º BIMESTRE
AGOSTO E
SETEMBRO
Ø Oportunizar aos alunos a participação em palestras e debates referentes a assuntos da atualidade. Ø Organizar e participar das homenagens ao dia dos Pais;
Ø Participar da reunião pedagógica do bimestre;
Ø Assessorar professores e direção conforme a necessidade;
Ø Atender aos pais e aos alunos quando solicitadas;
Ø Organizar e agendar eventuais saídas de campo;
Ø Providenciar palestras para os alunos de acordo com temas discutidos na atualidade (saúde, prevenção do ambiente, etc...).
4º BIMESTRE
OUTUBRO,
NOVEMBRO E
DEZEMBRO
Ø Desenvolver a consciência crítica oferecendo aos alunos oportunidades de participar de eventos variados (gincana, palestras, debates, exposições, viagens de estudo, etc.) Ø Participar do Conselho de Classe do bimestre;
Ø Recolher e avaliar os diários de classe dos professores, enviando-os à direção da Escola;
Ø Participar das comemorações do dia da criança e dia do professor;
Ø Participar da organização da Gincana da Solidariedade;
Ø Organizar exposições, palestras ou outros eventos sobre o dia da Consciência Negra;
Ø Participar do Conselho de Classe do bimestre e final;
Ø Participar da organização dos eventos de formatura;
Ø Participar da organização da confraternização dos professores e final de ano letivo.
CRONOGRAMA DE ATIVIDADES PLANEJADAS
HOMENAGENS À BANDEIRA Semanalmente. Todas as turmas.
PROJETOS
DESENVOLVIDOS
· Leitura;
· Dengue;
· Meio ambiente e qualidade de vida;
· Solidariedade.
Ø Participação de todas as turmas.
REUNIÕES DE
PAIS
Ø Março
Ø Bimestrais
Ø Reunião com os pais de todas as turmas sempre no período noturno.
Ø Reunião com os pais antes de fechar cada bimestre.
DIAS DE ESTUDO Ø Fevereiro
Ø Junho
Ø Setembro
Ø A criança de seis anos e avaliação
Ø Tema a combinar
Ø Projeto Gincana da Solidariedade
SAÍDAS DE
CAMPO
Ø 1º Bimestre
Ø 2ª Bimestre
Ø 3º Bimestre
Ø Escola do meio ambiente
Ø Escola do mar
Ø Bairros e limites do município
Ø Observatório da baleia franca
Ø Feira de Ciências – Coopeimb
Ø Museu da PUC.
DATAS CÍVICAS

MÊS DATAS
Março 08 – Dia Internacional da Mulher
14 – Dia da Poesia
Abril 07 – Dia do Jornalista
07 – Dia da Saúde Mundial
10 – Dia da PAZ
18 – Dia do Livro
19 – Dia do Índio
20 – Páscoa
21 - Tiradentes
22 – Descobrimento do Brasil
Maio 01 – Dia do Trabalho
13 – Dia da Abolição da Escravatura
10 – Dia das Mães
Junho 05 – Dia Mundial da Ecologia e Meio Ambiente
12 – Dia dos Namorados
19 – Corpus Christi
28 – Festa Junina
Julho 02 – Dia do Bombeiro
20 – Dia Internacional do Amigo
Agosto 05 - Dia Nacional da Saúde
10 – Dia dos Pais
11 – Dia do Estudante
12 – Dia das Artes
22 – Dia do Folclore
29 – Dia Nacional de Combate ao Fumo
Setembro 05 – Dia da Juventude
01 a 07 – Semana da Pátria
07 – Independência do Brasil
08 – Dia Mundial da Alfabetização
19 a 24 – Semana do Trânsito
21 – Dia da Árvore
21 – Início da Primavera
30 – Dia do Jornaleiro
Outubro 03 a 09 – Semana dos Bons Dentes
05 – Dia Nacional dos Animais
12 – Dia das Crianças
15 – Dia do Professor
16 – Dia Mundial da Boa Alimentação
23 a 29 – Semana do Livro
Novembro 02 – Finados
15 – Proclamação da república
19 – Dia da Bandeira
20 – Dia da Declaração dos Direitos da Criança
20 – Dia da Consciência Negra
22 – Dia Internacional da Música
25 – Dia de Santa Catarina
Dezembro 01 – Dia Mundial de Combate a AIDS
08 – Dia da Padroeira de Imbituba – Imaculada Conceição
08 – Dia da Família e da Justiça
10 – Dia do Palhaço
10 – Dia da Declaração dos Direitos Humanos
25 – Natal
ATIVIDADES PARA SEREM DESENVOLVIDAS NAS DATAS CÍVICAS E COMEMORATIVAS
MARÇO

08 – Dia Internacional da Mulher – Confecção de cartazes nas aulas de Artes para serem colocados no mural da escola.
Confecção de cartões-mensagem para presentear as mulheres funcionárias da Escola.
Professores Responsáveis: Professores de 1ª a 4ª séries e Assistentes Pedagógicos.
23 – Páscoa - Culminância do Projeto “É preciso saber viver”.
Apresentação de danças e músicas pelos alunos, no pátio da Escola.
Cada professor entregará doces e cartões para seus alunos.
ABRIL
18 – Dia do Livro - Organizar um teatro sobre as obras de Monteiro e a importância da leitura.
Professor Responsável: Profª Marciana
19 – Dia do Índio – músicas, confecção de cocares, colagens e pinturas.
Professora Responsável: Proª ANDRÉIA
21 – Tiradentes 22 – Descobrimento do Brasil - Fazer um teatro sobre a História do Brasil para apresentação na Homenagem à Bandeira.
Professores Responsáveis: Professora de História – Carmem Lúcia – 5ª série 01,02, 03
MAIO

01 – Dia do Trabalho – Relacionar com a Homenagem a Bandeira
11 – Dia das Mães – Homenagem para as mães com oficinas de brincadeiras e lanche especial.
Professor Responsável: Prof. Paulo – Educação Física, direção, Assistentes Pedagógicos, administrativo e demais funcionários.
13 – Dia da Abolição da Escravatura – Relacionar com a homenagem à bandeira.
JUNHO
05 - Dia Mundial da Ecologia e Meio Ambiente – Organizar materiais, cartazes sobre Meio Ambiente e organizar uma Passeata pelas ruas da comunidades, conscientizar a comunidade sobre a importância da limpeza da praia.
Professores responsáveis: Professores de Ciências.
alunos, cartazes.
21- Dia da Emancipação do município – Participação dos alunos nos jogos estudantis- JEIMB
JULHO

11 – Festa Julina - Envolver todos os alunos e professores para a organização da festa na
escola: arrecadação de prendas para os quitutes, apresentação de danças e brincadeiras.
AGOSTO
05 – Dia Nacional da Saúde - Palestra sobre higiene pessoal.
Convidar palestrante da área da Saúde: médico, enfermeiro, agente de saúde (a confirmar)
10 – Dia dos Pais - Homenagem para os Pais. Organização de jogos, envolvendo pais, alunos e professores. Lanche especial organizado pela direção, setor pedagógico e administrativo, com a participação dos professores e funcionários.
11 – Dia do Estudante - Gincana cultural, organizada pela direção com a participação dos professores, alunos e comunidade.
22 – Dia do Folclore - Confecção de mural e exposição de trabalhos sobre o folclore brasileiro. Apresentação de danças, lendas, par lendas, adivinhações, etc.
Responsáveis: Todos os professores regentes e suas turmas.
SETEMBRO
07 - Dia da Independência – Desfile dos alunos pelas ruas da comunidade.
19 a 24 – Semana do trânsito - Proerd – Trabalhar atividades do CD Educação Para o Trânsito.”Multiplicadores”.

23 a 29 – Semana do livro – Organizar uma teoria da atividade com o objetivo de arrecadar livros infantis, gibis e revistas educativas para montar um mural da leitura em sala de aula.
NOVEMBRO
15 – Proclamação da República - 19 - Dia da Bandeira – relacionar com a homenagem à Bandeira
20 – Dia da Consciência Negra – Palestras para os alunos e professores com os membros do Movimento Negro.
Responsável: Professoras, ADELÍCIA, CARMEM LÚCIA E KÁTIA
DEZEMBRO
01 – Dia Mundial de Combate a AIDS - Convidar um membro da Indústria da Solidariedade (ISSO) para ministrar uma Palestra sobre Prevenção da AIDS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário